27.04.08

Uma necessária pausa

Faço uma necessária pausa.

Volto a postar na segunda metade de maio, com uma série especial de matérias.

Ou antes, se houver alguma notícia urgente.

(Os indicados ao HQMix costumam ser divulgados mais ou menos nesta época do ano)

Até a volta.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 00h10
[comente] [ link ]

25.04.08

Blog dos Quadrinhos: dois anos no ar

Este blog jornalístico completa hoje dois anos no ar.

Se há algum motivo de comemoração, ele deve ser merecidamente dividido com você, leitor, que fielmente tem visitado esta página virtual durante todo esse tempo.

Fica registrado, de público, meu agradecimento.

E fica o convite para acompanharmos juntos mais um ano do que acontece na área de quadrinhos.

Abraço sincero a todos.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 13h39
[comente] [ link ]

Virada cultural paulistana tem jam session de quadrinistas

Sessenta desenhistas vão produzir uma história em quadrinhos durante 60 horas ininterruptas.

Um começa do ponto onde o artista anterior parou.

Essa é a proposta dos donos da HQMIx Livraria, no centro de São Paulo, para integrar mais uma edição da virada cultural paulista.

O evento promove diferentes atrações na cidade durante todo o fim de semana.

A jam session começa nesta sexta e está prevista para ir até o domingo à noite.

Durante o evento, vai haver também uma promoção de quadrinhos estrangeiros.

Os organizadores prometem 25 mil títulos, com descontos de até 70%.

A HQMix Livraria fica na Praça Roosevelt, 142, em São Paulo.

                                               ***

Outro evento de quadrinhos deste fim de semana, também em São Paulo, é o lançamento do primeiro número da revista mensal "Senninha e Sua Turma", da editora HQM.

O lançamento vai ser durante o 41º HQManíacos, evento que reúne leitores do site HQManiacs (link), mantido pelos responsáveis pela editora.

O evento vai ser neste sábado, a partir das 14h, na loja especializada em quadrinhos Comix.

A Comix fica na Alameda Jaú, 1998, perto da Avenida Paulista.

No mês passado, a HQM já havia lançado um especial de Senninha.

Leia mais sobre a volta do personagem às bancas neste link.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 13h11
[comente] [ link ]

23.04.08

Mais tiras nacionais que merecem registro

Não é de hoje que a tira cômica brasileira traz inovações no uso da linguagem.

Há mais dois bons exemplos neste mês.

Rafael Sica veiculou há alguns dias em seu blog esta tira:

A novidade é ter usado o corpo de um personagem como molde para o formato da tira.

Não me lembro de ter lido outro tira assim (e o leitor me corrija se estiver enganado).

Na postagem anterior do blog, o desenhista já brincava com a chamada linha de contorno, nome teórico da borda do quadrinho.

Ele transformou os quadrinhos numa espécie de aquário:

Piadas com uso de metalinguagem -entre elas as que brincam com a linha de contorno- não são algo novo nas tiras cômicas. Mas sempre rendem resultados interessantes.

A mais ousada -pelo que me lembro e que foi, inclusive, usada em minha tese de doutorado- foi criada nos Estúdios Mauricio de Sousa. Reproduzo abaixo:

A brincadeira é exatamente a ausência da linha de contorno.

Recentemente, o cartunista Laerte criou uma nova forma de trabalhar com o apêndice, a seta que sai do balão em direção ao personagem. Leia mais aqui.

Há necessidade de um estudo mais detalhado.

Mas a impressão que dá é que as tiras brasileiras e argentinas estão entre as mais inovadoras do continente americano, principalmente no uso revolucionário da linguagem dos quadrinhos no limitado espaço físico da tira. 

Crédito: a tira de Mauricio de Sousa mostrada nesta postagem é uma reprodução do álbum "Cebolinha", da coleção "As Melhores Tiras", publicado pela Editora Globo em 2006.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 13h37
[comente] [ link ]

Sessão de autógrafos e lançamento hoje e amanhã

 

 

 

 

 

Capa da revista "Maturi", que tem lançamento quinta-feira no Rio Grande do Norte

 

 

 

 

 

Há dois eventos de quadrinhos em estados diferentes hoje e amanhã.

Nesta quarta-feira, às 19h, o cartunista Cau Gomez autografa edições da revista "Gráfica - Arte Internacional", da qual participa.

A obra traz trabalhos de designers, cartunistas e ilustradores brasileiros e de outros países.

Gomez divida esta edição com Saul Steiberg, Alfredo Sábat e Elifas Andreato.

Cau Gomez aproveita a sessão de autógrafos para comemorar os 20 anos de carreira, que coleciona prêmios tanto aqui quanto no exterior.

O evento vai ser em Salvador, onde o desenhista mineiro mora há 13 anos.

Ocorre na Galeria do Livro (Boulervard, 161, Itaigara). A revista custa R$ 29.

                                                ***

Nesta quinta-feira, a partir das 19h30, há o lançamento de um novo número da revista Maturi.

A obra é produzida por desenhistas ligados aos GrupeHQ (Grupo de Pesquisas e Histórias em Quadrinhos), do Rio Grande do Norte.

O grupo surgiu em 1971, parou por um tempo e voltou a produzir quadrinhos no ano passado.

Participam desta edição Emanoel Amaral, Ivan Cabral, Gilvan Lira, Márcio Coelho, Luiz Elson, Veríssimo e Wolclenes. 

No lançamento, os autores vão prestar uma homenagem a Edmar Viana, chargista do Rio Grande do Norte, morto no dia 25 de março deste ano (leia mais aqui).

Embora não tenha participado deste número, Viana teve atuação na produção e na arrecadação de incentivo cultural para a produção da obra, segundo os autores.

O lançamento vai ser no Natal Shopping (av. Senador Salgado Filho, 2234, em Natal).

A revista custa R$ 5 e tem 44 páginas, 16 delas coloridas.

Os autores pretendem criar um site para comercializar a obra para outros estados.

Leia mais sobre a trajetória do GrupeHQ e sobre a edição anterior da revista neste link.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 13h11
[comente] [ link ]

22.04.08

Metrópoles faz um passeio pela cidade grande na forma de contos

 

 

 

 

 

 

 

 

Álbum de Leonardo Santana e Maurício Fig traz cinco histórias curtas sobre a vida nos grandes centros urbanos

 

 

 

 

 

 

Há quem defenda -até com uma dose de razão- que para o quadrinho nacional se firmar de vez é necessário aliar os lançamentos a textos de qualidade.

Leonardo Santana, pelo menos, cumpre essa meta em "Metrópoles", obra que começou a ser vendida nas últimas semanas (Marca de Fantasia, R$ 8, 40 págs.).

O álbum traz cinco contos curtos tendo temas ligados à vida nas grandes metrópoles.

Há o lado ruim das cidades grandes, como os assaltos e a questão dos menores nas ruas.

Mas há também o lado bom. Uma possível paixão, em um dos contos, e um encontro com a Felicidade, em outro.

Felicidade -com "f" maiúsculo mesmo- é um ser, assim como a Morte é na série "Sandman", de Neil Gaiman.

Essa história, diz Santana numa nota de rodapé, foi para atender a uma sugestão da esposa, que pedia a ele para escrever "algo mais leve".

"Cláudia Encontra a Felicidade", nome do conto, é um dos destaques do álbum.

Outro é a inovadora "O Suicídio". Inovadora porque é narrada de trás para frente.

A primeira página é o fim da história. As seguintes mostram retroativamente o que ocorreu para que uma mulher caísse da janela de um apartamento.

Teria sido jogada? Como as pessoas na rua e os vizinhos reagiram a isso?

Por uma daquelas coincidências inexplicáveis da vida, o conto traz inevitáveis semelhanças -embora em menor proporção- com o circo midiático em torno do caso Isabella Nardoni, a menina de cinco anos, assassinada em São Paulo.

Os desenhos dos cinco contos urbanos são de Maurício Fig.

"Metrópoles" só é vendida por meio do site da editora Marca de Fantasia (link).

O recifense Leonardo Santana tem conquistado nos últimos anos alguns prêmios ligados à produção independente.

No começo do ano, ele lançou a revista independente "FDP - Se Não Morrer Ninguèm, Não É Notícia". Leia resenha neste link.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 15h42
[comente] [ link ]

A cidade de Santos pelos desenhos de um de seus moradores

 

A ilustração acima, da ciclovia da cidade de Santos, é um dos cenários da cidade do litoral paulista representados no traço de Osvaldo da Silva Costa -ou só DaCosta, como assina.

O desenhista paulistano -que mora em Santos desde 1996- criou um blog para detalhar pontos da cidade.

Ele diz que os cenários são escolihidos ao acaso.

Pega a bicicleta, passei pela cidade litorânea e pára quando acha algo interessante.

"Trabalho de campo, como também é conhecido, não pensar muito e deixar a caneta fluir no papel", diz ele, por e-mail.

As ilustrações do blog, diz, são para "para fugir um pouco da prancheta, do trabalho monástico de desenhar".

DaCosta -que também é professor universitário em Santos- tem no currículo dois prêmios de destaque, conquistados nos dois últimos anos.

Em 2006, ficou em primeiro lugar na categoria charge do Salão Internacional de Humor de Piracicaba (veja o desenho aqui).

No ano passado, obteve o segundo lugar do "Porto Cartoon - World Festival" (veja aqui).

O prêmio português é um dos principais salões internacionais de humor.

Clique neste link para conhecer o blog de Dacosta.

Escrito por PAULO RAMOS às 15h23
[comente] [ link ]

20.04.08

Mês tem overdose de bons lançamentos estrangeiros

 

 

 

 

 

 

 

Álbum em homenagem a Albert Uderzo, um dos criadores de Asterix, é um dos destaques do mês

 

 

 

 

 

 

 

Há uma overdose de bons lançamentos estrangeiros neste mês.

Alguns já foram resenhados ou noticiados neste blog ao longo das últimas semanas.

Outros merecem registro, mesmo que rápido.

                                                            ***

"Asterix e Seus Amigos – Uma Homenagem a Albert Uderzo" (Record, R$ 25, 64 págs.), como o título já antecipa, celebra os 80 anos de vida de Uderzo.

Ele criou o personagem em 1959. Uderzo fazia os desenhos. René Goscinny, os textos.

Com a morte de Goscinny, Uderzo assumiu todo o processo de criação dos álbuns, sem o mesmo talento do parceiro.

Este álbum-homenagem consegue trazer algo de novo, há muito não visto na série francesa.

Um grupo de 34 escritores e desenhistas se reúne para criar microcontos sobre Asterix.

Os mais conhecidos dos brasileiros são o canadense Stuart Immonen (que desenhou histórias para a Marvel e DC), David Lloyd (da minissérie "V de Vingança") e o italiano Milo Manara (que, como de costume, insere uma beldade na história).

O resultado é estilisticamente interessante, ora mais próximo ao traço de Uderzo, ora menos.

Merecem menção os encontros de Asterix com personagens clássicos dos quadrinhos, como Lucky Luke e Pato Donald.

                                                             ***

"Bone – Pedras de Oração" (Via Lettera, R$ 26,90, 72 págs.) é o décimo terceiro álbum da série lançado no Brasil.

Este novo volume traz mais três capítulos da história, escrita e desenhada pelo norte-americano Jeff Smith.

Bone, seus primos e Espinho –os protagonistas da trama- têm de enfrentar uma trilha misteriosa, rodeada por "círculos fantasmas".

Os círculos são uma espécie de portal para outro plano da realidade.

A marca da série é ser conduzida de uma forma que agrada tanto adultos quanto jovens.

O senão é que é recuperar todos os elementos dos álbuns anteriores requer releitura ou uma boa dose de memória.

Há um resumo numa das páginas iniciais.

Mas não é suficiente para introduzir o tema aos novos e antigos leitores.

Mesmo assim, merece investimento. É um dos clássicos contemporâneos dos quadrinhos.

A Via Lettera pretende lançar outros encadernados da série ainda este ano.

"Revelações" (Devir, R$ 42, 162 págs.) traz uma trama de mistério escrita por Paul Jenkins e desenhada por Humberto Ramos.

A dupla já havia trabalhado junta em histórias de super-heróis, como as do Homem-Aranha.

Mas a incursão dos dois por outro tema –um assassinato no Vaticano- não deixa de ser uma dupla surpresa.

Primeiro porque ambos conseguem conduzir uma trama simples, mas bem narrada, que deixa vontade de saber quem é o assassino.

Segundo porque, fora do universo dos super-heróis, dão um eficiente ar realista à história.

Os desenhos de Humberto Ramos são um destaque à parte.

Mesmo com estilo caricato, casam com a proposta séria da obra, como visto acima.

                                                            ***

"Planetary/Authority – Dominando o Mundo" (Pixel, R$ 11,90, 48 págs.) fecha o terceiro e último encontro do Planetary com outros personagens.

Nas duas edições anteriores, já lançadas pela Pixel, o grupo interagiu com Batman (o melhor dos três álbuns) e com a Liga da Justiça.

Neste encontro, os membros do Planetary tem de invadir a nave sede do Authority, uma força global de proteção da Terra.

O texto é de Warren Ellis, que escreve a série Planetary e já trabalhou também com Authority. Os desenhos são de Phil Jimenez.

É obra para quem gosta do estilo das duas séries.

O cartão de visitas de "Jornada ao Oeste – O Nascimento do Rei dos Macacos" (Conrad, R$ 42,90, 468 págs.) é o fato de o livro narrar o surgimento da lenda que inspirou Son Goku, protagonista do mangá Dragon Ball.

Mas ler a obra com esse olhar não é algo que faça jus a seu conteúdo.

Um conjunto de artistas adapta para os quadrinhos a trajetória do rei Sun Wukong, macaco que parte de sua aldeia em busca da imortalidade.

Retorna sábio, com conhecimentos marciais, e se envolve em uma série de outras desventuras pertencentes ao folclore chinês.

Ler o livro é ter acesso um lado cultural rico e desconhecido no Brasil.

É muito, muito mais do que um paralelo com Son Goku.

Sugestão: inicie a leitura pela boa introdução de Rogério de Campos, dono da Conrad.

Dá um bom panorama do tema e da lenda que envolve a obra.

                                                            ***

"Vida Louca" (Conrad, R$ 34,90, 184 págs.) é mais uma das raras histórias espanholas a furar o bloqueio da alfândega editorial brasileira.

O álbum de Jaime Martín narra a trajetória de Vicen, um jovem que mora na periferia pobre de Barcelona com a mãe e a irmã.

Para sobreviver, tem de se enquadrar com a vida em gangues, ora nas ruas, ora na escola, ora na cadeia.

Trata-se, na verdade, de uma história de sobrevivência na Espanha dos anos 80.

                                                           ***

Há um quê diferente no mangá "Seton – Um Naturalista Viajante" (Panini, R$ 15,90, 292 págs.). O diferencial é que se trata de uma história real.

Este primeiro volume –de um total de três- se baseia em um dos livros de Ernest Thompson Seton, tido com um dos pioneiros da exploração da vida selvagem.

Ele narra o encontro com um lobo na vila de Currupaw.

O animal era o líder de uma alcatéia, que nenhum dos moradores conseguia eliminar, dada a astúcia do bicho.

O interessante é acompanhar o jogo de astúcia do animal para fugir das armadilhas criadas por Seton para pegá-lo.

A história foi adaptada por Jiro Taniguchi –que já traduziu obra de Seton- e desenhada por Yoshiharu Imaizumi.

Segundo a Panini, a série será bimestral.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 23h06
[comente] [ link ]

Salão Carioca de Humor deste ano muda de data

O Salão Carioca de Humor, um dos mais tradicionais do país, vai divulgar os premiados deste ano no dia 2 de junho. Tradicionalmente, o salão ocorria nos meses iniciais do ano.

Em 2007, por exemplo, os vencedores foram anunciados no dia 23 de fevereiro.

O motivo da mudança de data foram obras na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, onde ocorre a premiação e a exposição dos trabalhos vencedores.

As inscrições de trabalhos para esta 19ª edição vão até o dia 28 deste mês (detalhes aqui).

Há quatro categorias: charge, caricatura, cartum e quadrinhos.

Os primeiros lugares de cada uma delas ganham R$ 6 mil.

Os segundos e terceiros lugares, R$ 4 mil e R$ 2 mil, respectivamente.

Veja neste link os trabalhos premiados na edição passada.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 13h44
[comente] [ link ]

Super-Herói - O Filme: dá para rir, mas não espere muito

 

 

Longa, que estreou neste fim de semana, faz paródia de filmes de super-heróis

 

 

 

Uma análise fria e honesta obriga a dizer que "Super-Herói – O Filme", que estreou neste fim de semana nos cinemas, não é daquelas produções das quais se pode esperar muita coisa.

Dá para rir um pouco. Mas é mais um filme menor do gênero besteirol, que teve longas bem melhores, como os da série "Corra Que a Polícia Vem Aí", estrelados por Leslie Nielsen.

Nielsen participa desta nova sátira, como o tio do protagonista. Mas é mal aproveitado.

"Super-Herói – O Filme" é uma sátira às adaptações de quadrinhos feitas para o cinema.

O ponto central da história são os longas do Homem-Aranha (há até tentativa de beijo de ponta-cabeça embaixo da chuva).

O jovem estudante Rick Riker –paródia de Peter Parker, identidade secreta do Aranha- é picado por uma libélula.

O acidente dá a ele poderes especiais, como subir pelas paredes e ter pele invulnerável.

Decide, então, tornar-se o super-herói Libélula.

A trajetória dele é semelhante à do Homem-Aranha, mas é permeada por encontros com versões de integrantes dos X-Men (um divertido Professor X interpretado por Tracy Morgan) e do Quarteto Fantástico.

Há também elementos do seriado Smallville e de Batman (os pais de Libélula foram assassinados quando criança, tal como ocorreu com os de Bruce Wayne, alter-ego do homem-morcego).

Para o apreciador de quadrinhos, a busca pelas referências é um interesse à parte, que pode até agradar os mais fanáticos.

E, como dito, dá para rir um pouco. Mas não espere muito mais.

Para quem arriscar, uma dica: espere o fim dos créditos. Há uma seqüência de extras.

Crédito da imagem: divulgação.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 11h14
[comente] [ link ]

19.04.08

Álbuns vão relançar primeiras histórias de Hulk e Homem-de-Ferro

 

 

 

 

 

 

 

 

Capa de "Biblioteca Histórica Marvel - O Invencível Homem-de-Ferro", obra programada para ser lançada em maio

 

 

 

 

 

 

 

Dois álbuns de luxo vão relançar no Brasil as primeiras histórias do Homem-de-Ferro e do Incrível Hulk, personagens da editora norte-americana Marvel Comics.

As duas obras integram a coleção "Biblioteca Histórica Marvel", que reedita histórias clássicas da editora.

Os álbuns de luxo, produzidos em capa dura, trazem histórias da década de 1960.

Segundo a editora Panini, que publica os álbuns, a edição com as aventuras iniciais do Homem-de Ferro terá 196 páginas e vai custar R$ 49,90.

A Panini programa o lançamento para maio.

A data casa com a estréia do longa-metragem do herói, programado para o dia 30 deste mês.

Ainda não há informação de quando será lançado "Biblioteca Histórica Marvel – Incrível Hulk".

A ida dos dois heróis clássicos da Marvel para o cinema pautou outros dois especiais.

Ambos trazem histórias famosas dos personagens e vão integrar a linha "Os Maiores Clássicos", que reedita tramas da Marvel das décadas de 1980 e 90.

O do Homem-de Ferro vai mostrar a luta de Tony Stark –alter-ego do herói- contra o álcool.

A de Hulk mostra a versão cinza dele. As histórias são escritas por Peter David, um dos mais lembrados autores do personagem.

A Panini anunciou no mês passado outro álbum de "Biblioteca Histórica Marvel", com histórias clássicas do Capitão América (leia aqui e aqui). A obra ainda não foi lançada.

Há um outro volume programado, com as primeiras aventuras de O Poderoso Thor (aqui).

                                                              ***

A revista "Wizmania Preview", lançada nesta semana (R$ 7,90), traz uma relação de outros lançamentos da editora Panini.

Na Marvel, estão programadas mais reedições encadernadas.

A lista inclui álbuns com o primeiro arco de "Os Surpreendentes X-Men" e das minisséries "Guerra Secreta" e "Terra X".

Há também mais um volume de "Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha", com histórias desenhadas por Todd McFarlane, um dos mais populares desenhistas do herói.

                                                              ***

Do lado da concorrente DC Comics, o destaque são mais dois álbuns de luxo com as histórias clássicas de Super-Homem e Batman.

"Superman Crônicas 2" e "Batman Crônicas 2" dão continuidade ao relançamento das primeiras aventuras dos dois super-heróis, lançadas na virada das décadas de 1930 para 40.

Os dois primeiros álbuns foram publicados no Brasil no segundo semestre do ano passado (leia resenhas aqui e aqui).

A revista "Wizmania Preview" informa ainda outros relançamentos encadernados da DC.

Incluem a lista histórias da Liga da Justiça, escritas por Grant Morrison, e de Lanterna Verde e Arqueiro Verde, de Neal Adams e Denny O´Neil, já lançadas pela Panini.

O trabalho de Neal Adams em Batman pauta outro álbum.

A editora programou também o relançamento encadernado de minisséries de Lobo e da série "Starman", escrita por James Robinson, que ainda não teve um lançamento à altura no país.

A maioria dos lançamentos é voltada às livrarias, ponto de venda que tem pautado boa parte dos especiais da Panini.

Nas bancas, a editora multinacional domina o mercado.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 09h37
[comente] [ link ]

18.04.08

Pequenos Guardiões: obra para jovens que pode agradar adultos

 

 

 

 

 

Capa do primeiro volume da série, escrita e desenhada pelo norte-americano David Petersen

 

 

 

 

 

Há um seleto grupo de histórias em quadrinhos que consegue agradar tanto adultos quanto crianças. Bone, Pogo, a lista é longa.

"Os Pequenos Guardiões", que começou a ser vendido neste mês (Conrad, R$ 12, 28 págs.), é um caso assim.

A série traz uma história simples e misteriosa, mesclada com atos de heroismo e protagonizada por ratos num ambiente medieval.

Ter animais à frente da trama é o que facilita o apelo aos mais jovens, real público da série.

Mas é uma historinha descompromissada e rápida de ser lida, que pode atrair os adultos.

Um grupo de ratos -com capa e espada- pertence a uma entidade chamada Guarda.

É uma espécie de milícia que defende os demais ratos da ação de predadores.

No primeiro volume, chamado "Na Barriga do Monstro", os integrantes da Guarda enfrentam uma serpente para encontrar um desaparecido.

No volume seguinte, intitulado "Nas Sombras" e também à venda, o vilão é um caranguejo.

De um número para o outro, vai sendo construído um mistério sobre as investigações do desaparecimento e sobre a presença de um traidor dentro da entidade.

O norte-americano David Petersen, escritor e desenhista da série, conseguiu um resultado raro com seus pequenos ratinhos.

Ele mira o jato d´água no público infanto-juvenil.

Mas o jorro respinga nos adultos também. E tem a proeza de molhar ambos.

Foi o que garantiu a repercussão que teve nos Estados Unidos, onde foi publicada em 2007.

A Conrad anunciou mais quatro volumes da série.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 19h57
[comente] [ link ]

Coleção Histórica de Mônica tem novo número. Tiras ainda não

A editora Panini começou a vender nesta semana o quarto número de "As Primeiras Revistas da Turma da Mônica - Coleção Histórica".

A série -lançada numa caixa (R$ 19,90)- relança as primeiras revistas de "Mônica", "Cebolinha", "Cascão", "Chico Bento" e "Magali".

Esta caixa traz as edições de número quatro de cada uma das revistas.

O volume chega às bancas um mês depois de a editora anunciar que a coleção voltaria a ser mensal (leia aqui).

Isso de fato ocorreu, apesar de este quarto volume ser lançado com data de março.

Mesmo assim, os créditos finais das revistas ainda registram que se trata de uma "publicação especial" -e não mensal- da Panini.

A coleção iniciou no segundo semestre do ano passado.

Cada uma das revistas trazia, então, a informação de que seria uma publicação mensal.

Depois do lançamento do segundo número, nos meses finais de 2007, a série sumiu das bancas, sem nenhuma explicação por parte da editora.

O terceiro número só começou a ser vendido no início de abril.

Os créditos, no fim das revistas, traziam a mudança de edição mensal para especial.

O assunto veio à tona em notícia deste blog, veiculada no dia 8 de abril (leia aqui).

Na semana seguinte, a Panini emitiu nota no site da editora dizendo que "devido ao cuidado com o resgate do material original – com artes e cores fiéis às usadas na época – tivemos que rever o planejamento original de lançamento."

O texto também dizia que a série voltaria a ser mensal.

                                                                     ***

O que a editora ainda não explicou ao leitor é por que divulgou o segundo volume de "As Tiras Clássicas da Turma da Mônica" sem que a edição estivesse à venda.

A revista "Cebolinha" do terceiro número de "As Primeiras Revistas" trazia um anúncio que informava que o volume dois de "As Tiras Clássicas" "já está à venda".

Um mês e dez dias depois, ainda não está à venda.

E não há explicação pública por parte da empresa sobre isso.

Esse segundo número também não consta na lista de lançamentos especiais do site da editora Panini (acessei a página virtual da editora à 0h22).

No site, que lista todos os lançamentos da editora, consta apenas o primeiro volume.

A coleção "As Tiras Clássicas da Turma da Mônica" reedita, e preto-e-branco e em ordem cronológica, as primeiras tiras cômicas dos personagens criados por Mauricio de Sousa.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 00h22
[comente] [ link ]

17.04.08

Bá e Moon: dois brasileiros no principal prêmio de HQ dos EUA

 

 

 

Revista "5", feita pelos dois desenhistas, concorre em um das três categorias disputadas pela dupla 

 

 

 

Os irmãos Gabriel Bá Bá e Fábio Moon foram indicados em três das 29 categorias do Eisner Awards.

O Eisner -uma homenagem ao desenhista Will Eisner, já falecido- é a principal premiação dos quadrinhos nos Estados Unidos.

Gabriel Bá fez os desenhos de "The Umbrella Academy", que concorre como melhor minissérie.

A obra é escrita por Gerard Way, cantor da banda "My Chemical Romance".

Fábio Moon disputa na categoria melhor história em quadrinho digital.

Ele fez a arte de "Sugarshock!", história escrita pelo norte-america Joss Whedon (leia aqui).

Os dois concorrem juntos numa terceira categoria, melhor antologia, pela obra "5".

A revista independente foi feita em parceria com outros três desenhistas: a norte-americana Becky Cloonan, o grego Vasilis Lolos e o brasileiro Rafael Grampá.

A proposta é que cada um dos cinco fizesse uma história biográfica do outro.

"5" foi lançada no Brasil na entrega do troféu HQMix do ano passado (leia mais aqui).

Bá e Moon venceram em quatro categorias da premiação brasileira, a principal do país.

                                                                  ***

A divulgação dos premiados do Eisner Awards será no dia 25 de julho, segundo o site do evento.

A lista com os indicados foi divulgada nesta semana (leia a relação completa aqui). 

A maioria das obras selecionadas nas 29 categorias é inédita no Brasil.

Mas há exceções, como o mangá "Monster" -concorre como melhor edição norte-americana de material japonês- e a versão de Darwyn Cooke para "The Spirit" -como melhor série regular.

"Monster", da Conrad, volta às bancas este mês (leia mais aqui e aqui).

O lançamento de "The Spirit", da Panini, também está programado para este mês.

                                                                  ***

Em dezembro do ano passado, outro brasileiro conseguiu repecurssão em uma premiação norte-americana.

Ivan Reis foi eleito o melhor desenhista de 2007 em seleção promovida pela "Wizard", revista especializada em produções da indústria norte-americana de quadrinhos (leia aqui).

Reis faz a arte da série do Lanterna Verde, herói da editora DC Comics (mesma de Super-Homem e Batman).

Essas histórias têm sido publicadas no Brasil na revista "Liga da Justiça", da editora Panini.

                                                                    ***

Leia mais sobre a trajetória de Bá e Moon nos Estados Unidos aqui.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 20h49
[comente] [ link ]

10.04.08

Fico fora uns dias...

... mas volto a postar na semana que vem.

Até lá.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 19h07
[comente] [ link ]

07.04.08

Agridoce, do Patu Fu: música para ser ouvida em quadrinhos

 

A página acima é da abertura da versão em quadrinhos de "Agridoce", música do Pato Fu.

A adaptação foi feita pelo desenhista Flávio Dealmeida, de 49 anos.

"Na época, tava passando por uma situação semelhante a da letra", diz, por e-mail.

"E a canção me calou fundo por causa disso."

Ele diz que entrou em contato com a banda e que teve autorização para fazer a versão em quadrinhos da letra. A música é de 2005.

O desenhista pretende fazer outras adaptações assim.

"Este universo de letras de músicas é vasto."

Flávio Dealmeida já tem 30 anos de profissão.

Publicou na revista "Mad", no "Pasquim" e em diversos jornais do país.

Atualmente, faz as tiras "Fido Rex" e "Dasdô" e publica charges em jornais paulistas.

Ele também criou, em parceria com o cartunista Verde, as tiras de Dona Marisa, baseadas na esposa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (leia mais aqui).

Flávio pôs a adaptação de "Agridoce" em sua página virtual. Para ler, clique aqui.

E, se quiser ouvir a música do Pato Fu antes ou depois, clique neste link.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 08h02
[comente] [ link ]

Termina seqüestro de filho de Mauricio de Sousa

O filho de nove anos do desenhista e empresário Mauricio de Sousa -criador da Turma da Mônica- foi libertado neste domingo em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo.

Ele era mantido numa casa com a mãe e ex-mulher do empresário e com uma filha dela, de dois anos.

Os três haviam sido seqüestrados há 20 dias em um sítio em São José dos Campos, no interior paulista.

Segundo a polícia, não foi pago resgate.

A Polícia Civil de São José dos Campos, que libertou os reféns, prendeu duas pessoas.

(Nota feita com base em informações da Folha Online, das 6h27 - Leia matéria aqui)

Post postagem (19h50): quem também foi libertado foi um filho da ex-esposa de Mauricio de Sousa, e não uma filha, como informo nesta nota. Fica registrada a correção.

Categoria: NA MÍDIA

Escrito por PAULO RAMOS às 07h05
[comente] [ link ]

06.04.08

Feira em São Paulo dá desconto de 50% em livros e quadrinhos

A USP-Leste -uma das unidades da Universidade de São Paulo- vai fazer nesta segunda e terça-feiras uma feira de livros com desconto de pelo menos 50%.

Editoras de quadrinhos também vão ter estandes no evento.

É o caso da Conrad, da L&PM e da Panini, segundo informa o site da universidade, inaugurada em 2005.

Embora não conste na página virtual da USP-Leste, a loja Comix também participará.

A Comix, especializada em quadrinhos, é uma das mais completas do setor.

Vende de tudo, inclusive material das três editoras citadas acima.

Uma feira nesses moldes é feita na "irmã mais velha" da Universidade de São Paulo, no bairro do Butantã, há nove anos.

A próxima, se seguir a tendência das outras edições, será realizada em novembro.

Mas, pela presença da Comix, esta versão da USP-Leste tende a ser melhor que a da USP e a melhor opção do ano, pelo menos até aqui, para comprar quadrinhos mais em conta.

A feira pode ser visitada das 9h às 21h.

A USP-Leste fica na divisa de São Paulo com Guarulhos, bem perto do Aeroporto Internacional de Cumbica (rua Arlindo Bettio, 1000 - Ermelino Matarazzo).

Veja aqui a lista das editoras que participam (embora não conste a Comix na relação).

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 15h30
[comente] [ link ]

Contos de Kafka são recriados na linguagem dos quadrinhos

 

 

 

 

 

 

 

 

Álbum de Peter Kuper, da editora Conrad, adapta nove contos do escritor tcheco

 

 

 

 

 

 

 

Não houve apenas um trabalho de adaptação de contos em "Desista! E Outras Histórias de Franz Kafka". (Conrad, R$ 22, 64 págs.). Ocorreu também um processo de transcriação das narrativas surreais do escritor tcheco.

O norte-americano Peter Kuper, autor da adaptação, traduziu em imagens o tom absurdo das situações criadas por Kafka (1883-1924).

Trata-se, evidentemente, de uma leitura pessoal dele mostrada na forma de imagens. 

No conto "Desista!", destacado no título e na capa do álbum, um homem atrasado pergunta a um policial "qual é o caminho". Acuado, ouve um sonoro "desista!" como resposta.

O atraso do homem é caracterizado com um relógio num dos olhos. A atitude agressiva do policial é simbolizada com um cano de revólver no lugar do nariz.

É esse o tom das nove histórias da obra, ora mais acentuado, ora menos. Imagem e texto procuram se harmonizar por meio dos toques surreais.

O resultado é um incômodo, muitas vezes acentuado pela crítica à condição humana.

Talvez o caso mais contundente desse desconforto seja "Um Artista da Fome", o mais longo do álbum (dez páginas).

Um jejuador profissional, que se apresenta em público, começa a perder o interesse da platéia. Tenta se apresentar num circo, mas a cena se repete.

Como de costume numa obra kafkiana, a situação em si dá margem a mais de uma leitura. Mas qualquer interpretação esbarra num certo desconforto.

Os nove contos do álbum –escritos por Kafka nas duas primeiras décadas do século 20- não são o primeiro passeio de Kuper pelo mundo kafkiano.

Ele adaptou também "A Metamorfose", trabalho feito após "Desista!".

A versão dele para o romance foi lançada pela Conrad em 2004.

Foi um bom negócio para a editora. A obra foi incluída no PNBE (Programa Nacional Biblioteca na Escola), do governo federal.

O programa compra obras literárias e em quadrinhos e as distribui a escolas do ensino fundamental. Resultado: a obra esgotou.

"Desista!", assim como outras adaptações literárias que vêm sendo produzidas, tem tudo para seguir o mesmo caminho. Melhor garantir antes que o governo a descubra.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 12h12
[comente] [ link ]

05.04.08

Ziraldo e Jaguar recebem indenização de mais de R$ 1 milhão

Os cartunistas Ziraldo Alves Pinto e Sérgio Jaguaribe, o Jaguar, vão receber indenização de mais de R$ 1 milhão e uma pensão mensal de R$ 4.375,88 cada um.

Os valores serão pagos pela União e são referentes a indenização por perseguição política sofrida durante o regime militar brasileiro (1964-1985).

A decisão foi aprovada ontem pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, em cerimônia realizada na sede da ABI (Associação Brasileira de Imprensa), no Rio de Janeiro.

Ziraldo vai receber R$ 1.253.000,24 e Jaguar, R$ 1.027.383,29.

Foram os maiores valores aprovados na sessão. Outros 18 jornalistas foram indenizados.

Ziraldo e Jaguar foram dois dos fundadores do "Pasquim", criado em 1969.

O jornal alternativo que foi uma das mais contundentes vozes de oposição ao regime militar.

Ziraldo disse, na cerimônia, que considera a indenização sua aposentadoria e que o Brasil deve isso a ele. Jaguar não compareceu.

Ambos têm de acusar à comissão, por escrito, se concordam com a verba indenizatória ou se pretendem recorrer do valor. Se concordarem, o dinheiro deverá ser pago neste semestre.

(Nota feita com base em informações do UOL, "Folha de S.Paulo" e "O Estado de S. Paulo"). 

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 09h51
[comente] [ link ]

04.04.08

Leão Negro: produção nacional com cara de álbum europeu

 

 

 

 

 

 

 

Álbum da editora HQM traz história inédita da série, criada por Cynthia Carvalho e Ofeliano de Almeida

 

 

 

 

 

 

Há um ar europeu na série Leão Negro. Se o leitor não soubesse que a série foi criada pelos brasileiros Cynthia Carvalho e Ofeliano de Almeida, dificilmente diria que a obra foi produzida aqui. 

Isso não desmerece de modo algum os roteiros nacionais. É que é difícil encontrar uma história adulta brasileira em que os protagonistas sejam animais, convivendo numa fictícia e selvagem Idade Média.
 
O personagem principal é Othan, o Leão Negro, uma espécie de Conan, o Bárbaro em forma leonina. Na faixa dos 50 anos, é altruísta, bruto, mulherengo, chulo. Tem casos e filhos espalhados por aí.
 
Um dos filhos -ou filhotes, como se diz na obra- é o foco deste número de estréia.
 
Pepah é fruto de um relacionamento dele com uma pantera negra (os diferentes bichos são uma clara metáfora da segregação racial, só que na forma de animais).
 
Othan deixa a filha bastarda de lado por anos. O reencontro se dá anos depois.
 
Do pai, ela herdou o temperamento e quer dele aprovação. Mas é para Kasdhan -outro filho de Othan e meio-irmão de Pepah- que o coração dela imediatamente bate mais forte.
 
É desse esquisito triângulo familiar -com toques edipianos- que se molda a história do álbum, lançado no início do mês passado (HQM, R$ 19,90, 56 págs.).
 
A história, escrita por Cynthia Carvalho e desenhada por André Mendes e Danusko Campos, é inédita. Mas a série toda soa nova aos olhos do leitor.
 
São poucos os que lembram que o personagem foi publicado no jornal carioca "O Globo" em 1987. Essas primeiras histórias serão relançadas pela HQM num outro álbum, intitulado "Leão Negro - Série Origens".
 
Também nem todos sabem que a série já foi lançada na Europa pela editora Meriberica (o que justificaria ainda mais o verniz europeu da obra).
 
O site dedicado à série anuncia mais dois álbuns inéditos e cinco da coleção clássica.
 
Faz parte da guinada editorial da HQM, que, neste ano, investe acentuadamente em quadrinho nacional. Até então, os lançamentos eram norte-americanos (que não foram abandonados; um terceiro volume de "Mortos-Vivos" foi confirmado).
 
Além de Leão Negro, a editora lançou neste ano "Quadrinhofilia", do curitibano José Aguiar (leia aqui), e trouxe de volta Senninha às bancas (aqui).

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 20h09
[comente] [ link ]

03.04.08

Insanidade: misteriosa história sobre a loucura

 

 

 

 

 

 

 

 

Narrativa toma todo o sexto número da revista independente "Quadrinhópole", que tem lançamento nesta sexta em Curitiba

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O que você faria se sua família o internasse num hospital psiquiátrico?
 
Detalhe: sem informar o motivo.
 
"Insanidade" parte dessa premissa. A história toma todo o sexto número da revista "Quadrinhópole", produção independente curitibana que tem lançamento nesta sexta-feira.
 
A narrativa, escrita por Juliano DFS e Leonardo Melo, mostra o drama do jovem Leonard Nicholson, que se vê exatamente na situação descrita acima.
 
(Perguntar não ofende: se a história é nacional, por que os personagens recebem nomes ingleses, como nos quadrinhos da editora italiana Sergio Bonelli?)
 
A cada capítulo, o desespero dele aumenta um pouco mais.
 
Dele e do leitor, fisgado em saber o desfecho da trama.
 
Essa mudança de tom a cada nova etapa é acentuada pela mudança de desenhistas.
 
Cada capítulo -são quatro ao todo- é feito por um artista diferente.
 
Parece até algo previamente imaginado. Não é. A alternância de desenhistas surgiu no meio do caminho, para contornar um problema de prazo.
 
Issac Santos, o primeiro a atuar na trama, não conseguiu finalizar a trama, segundo Leonardo Melo explica na contracapa da revista.
 
A solução, diz, foi ir à cata de outros nomes: Henrique Assale, Lipe Dias e Ângelo Ron.
 
O contratempo adiou o desfecho da história. A primeira parte já havia sido publicada no segundo número de "Quadrinhópole", lançada em dezembro de 2006.
 
"Insanidade" poderia se destacar por méritos próprios. Mas a trama ganhou um empurrãozinho a mais ao ser adaptada em um curta-metragem, em processo de finalização.
 
A versão filmada talvez revele algumas semelhanças com o cinema diluídas -mas presentes- nas páginas dos quadrinhos.
 
Revelar com quais longas-metragens "Insanidade" dialoga é tentador, mas pode estragar alguma surpresa. Por isso, deixo a tarefa a cargo do leitor.
 
Mas são apenas semelhanças. A história caminha com pernas próprias.
 
E faz por merecer destaque.
 
Em tempo: a capa da edição é de Julio Shimamoto, um dos nomes mais antigos e respeitados do quadrinho nacional. A revista traz, além da história, uma entrevista com ele.
 
Serviço
Lançamento de "Quadrinhópole 6". Quando: sexta-feira (04.04). Horário: a partir das 19h. Onde: Itiban, em Curitiba, Paraná. Endereço: rua Silva Jardim, 845. Quanto: R$ 3 (no evento, vai haver também o segundo lançamento da revista "Tipos 5").   

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 20h55
[comente] [ link ]

Dificuldades para sair da cama de manhã?

Crédito: a tira, de Laerte, saiu na edição de hoje da "Folha de S.Paulo".

Categoria: NA MÍDIA

Escrito por PAULO RAMOS às 14h08
[comente] [ link ]

02.04.08

Álbum vai relançar as primeiras aventuras de Thor

 

 

 

 

 

 

 

 

Obra integra coleção "Biblioteca Histórica Marvel", que reedita histórias clássicas de super-heróis

 

 

 

 

 

 

 

A editora Panini vai lançar um álbum com as primeiras histórias de O Poderoso Thor.

A obra vai integrar a coleção "Biblioteca Histórica Marvel", série que relança em formato de luxo as aventuras iniciais de super-heróis da editora norte-americana Marvel Comics.

A informação consta na lista de lançamentos da Panini programados para este mês.

A relação foi enviada à imprensa na noite desta quarta-feira.

A publicação trará histórias da revista "Journey Into Mystery", publicada nos Estados Unidos na década de 1960.

As aventuras são assinadas por Stan Lee (texto) e Jack Kirby (desenhos), criadores de Thor.

A dupla assina outro álbum da coleção, com as histórias iniciais do Capitão América.

O lançamento da obra com o Capitão América havia sido anunciado para março (leia mais aqui e aqui), mas ainda não foi colocado à venda.

A publicação reaparece na lista programada para este mês.

Os dois lançamentos confirmam notícia veiculada por este blog no ano passado.

A Panini havia informado que tinha interesse em lançar neste ano mais volumes da coleção "Biblioteca Histórica Marvel" com outros personagens da editora norte-americana.

Até agora, a Panini publicou quatro números: Quarteto Fantástico, Vingadores, Homem-Aranha e X-Men.

Todos foram lançados no segundo semestre de 2007 e traziam as primeiras aventuras dos personagens-título.

                                                            ***

As lojas especializadas em quadrinhos, ao menos as de São Paulo, começaram a vender nesta semana o número de estréia de "Biblioteca DC", também da Panini.

A primeira edição traz histórias dos Novos Titãs produzidas por Marv Wolfman e George Pérez, dois dos mais famosos autores do supergrupo de heróis mirins da editora DC Comics.

A obra, anunciada em fevereiro (leia aqui), foi produzida em capa dura e custa R$ 53.

Este primeiro número traz histórias já lançadas no Brasil pelas editoras Abril (na primeira metade da década de 1980) e Panini (em 2005, nos dois primeiros números da coleção "Grandes Clássicos DC").

A coleção é uma versão da "Biblioteca Histórica Marvel" para os heróis da concorrente DC.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 22h56
[comente] [ link ]

01.04.08

Quadrinhofilia tem lançamento em Curitiba

 

A página acima é da história "Baile de Salão", uma das 14 do álbum "Quadrinhofilia".

A obra da editora HQM está à venda desde o início de março.

Mas tem lançamento oficial nesta quarta-feira em Curitiba, terra natal do autor, José Aguiar.

O trabalho reúne uma série de histórias curtas produzidas por Aguiar em diferentes momentos da carreira (leia resenha aqui).

O lançamento vai ser na Gibiteca de Curitiba (rua Carlos Cavalcanti, 533), a partir das 19h.

O álbum vai ser vendido com dez por cento de desconto (sai por R$ 26,90).

Crédito: a imagem desta postagem é do site do autor, que traz uma prévia da obra.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 19h35
[comente] [ link ]

[ ver mensagens anteriores ]