29.10.09

Fernando Gonsales lança mais uma coletânea de Níquel Náusea

 

Níquel Náusea - Um Tigre, Dois Tigres, Três Tigres

 

 

 

 

 

 

 

Álbum começa a ser vendido neste fim de mês e é o nono da série publicado pela editora Devir

 

 

 

 

 

 

 


O curioso dos álbuns de Fernando Gonsales é o nome escolhido, sempre singular. A nova coletânea de tiras dele mantém a tradição com um trava-língua: "Níquel Náusea - Um Tigre, Dois Tigres, Três Tigres".

O livro começou a ser vendido neste fim de mês em lojas de quadrinhos de São Paulo (Devir, 48 págs., R$ 26). Chega às livrarias nas próximas semanas.

A obra segue o padrão gráfico adotado nos demais volumes da série lançados pela Devir. Este é o nono título das tiras publicado pela editora paulista.

As piadas são reedições de material veiculado na "Folha de S.Paulo". Gonsales publica "Níquel Náusea" no jornal há mais de 20 anos, quando venceu um concurso de tiras.

 


 
A Devir programa lançar nos próximos dias outra coletânea de tiras publicadas pela Folha. É uma seleção de histórias de Aline, de Adão Iturrusgarai. Mais na postagem de 17.10.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 00h49
[comente] [ link ]

Liniers publica dois livros no Brasil em menos de um mês

 

O Que Existe Antes Que Exista Tudo. Crédito: reprodução 

 

 

 

 

Desenhista argentino lança o livro infantil "O Que Existe Antes Que Exista Tudo"...

 

 

 

 

 

 

  Macanudo 2 

 

 

 

 

... e segunda coletânea de tiras de "Macanudo", ambos neste mês de outubro

 

 

 

 

 



Não foi só a coletânea de tiras de "Macanudo" que pautou a vida editorial brasileira de Liniers neste mês. O desenhista argentino lançou por aqui também um livro infantil.

As duas obras chegaram às livrarias e lojas de quadrinhos com um intervalo de pouco mais de uma semana. E têm outro ponto em comum: ambas já haviam sido anunciadas.

O segundo volume de "Macanudo" (Zarabatana, 96 págs., R$ 35) integrou a lista de novos títulos do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), realizado entre os dias 6 e 12 em Belo Horizonte (MG). O autor veio ao Brasil especialmente para o evento.

A notícia de que o livro infantil "O Que Existe Antes Que Exista Tudo" (Girafinha, 32 págs., R$ 28) foi dada pelo próprio Liniers no ano passado, em visita ao país.

                                                         ***

A passagem dele pelo Brasil em 2008 também foi para lançar "Macanudo". No caso, o volume de estreia, que compila as primeiras tiras da série.

São essas tiras iniciais que circulam diariamente na "Folha de S.Paulo". A presença no jornal paulistano - iniciada neste ano - amplia a difusão deste segundo volume.

A obra foi publicada na Argentina em 2005. No ano seguinte, já estava na terceira edição. O álbum compila as tiras veiculadas no jornal portenho "La Nacion" entre 2003 e 2004.

A série mescla personagens fixos com outros, criados para determinada situação. Os temas costumam abordar aspectos cotidianos, algumas pautadas no surrealismo.

                                                         ***

O outro lançamento é voltado ao leitor mirim. É um livro infantil, apesar de a editora, Girafinha, rotular a obra como história em quadrinhos na ficha catalográfica.

"O Que Existe Antes Que Exista Tudo" mostra a imaginação de um menino após a luz do quarto ser apagada na hora de dormir. Estranhos seres o visitam no quarto.

Um dos que aparecem é um monstro sombrio, que tem o mesmo nome da obra. Nos créditos, Liniers agradece aos pais, que "me apagavam a luz e acendiam a imaginação". 

Apesar de ser produzido em capa dura, o livro da Girafinha tem formato menor e 64 páginas a menos do que o álbum de "Macanudo". Apesar disso, a diferença de preço é de R$ 8.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 18h34
[comente] [ link ]

Registros rápidos

Balanço do FIQ
O 6º FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos) recebeu em torno de 75 mil pessoas, segundo os organizadores. Mais que o dobro do público da edição anterior, em 2007, que teve 36 mil visitas. O festival foi realizado neste mês, em Minas, e teve um dia a mais.

Lançamento adiado
A estreia da revista "Vertigo", anunciada para este mês, foi adiada para o dia 3 de novembro. Chega primeiro em São Paulo e depois nas outras praças. A Panini informou, via Twitter, que houve um problema na aprovação do material. A publicação será mensal.

Morte de Robin
Lojas de quadrinhos já vendem "Batman: Morte em Família", da Panini. O álbum reedita o assassinato do segundo Robin, Jason Todd, nas mãos do Coringa. O destino do herói havia sido definido pelos leitores, por votação. A obra é em capa dura e custa R$ 68. 

Salão de Humor
Vão até o próximo dia 2 as inscrições para o 1º Salão de Humor de Campinas. São três categorias: cartuns (o tema é meio ambiente), charges e caricaturas. Os primeiros lugares receberão R$ 3 mil cada um. Inscrições via humorcampinas@gmail.com .

Nas bancas 1
Está à venda o segundo número do "Almanaque Piteco & Horácio". O título da Panini reedita histórias dos dois personagens. O diferencial é a presença de Horácio, pouco publicado. O dinossauro verde é talvez a criação mais autoral de Mauricio de Sousa.

Nas bancas 2
Já faz alguns meses que a Devir vende seus álbuns em bancas de grande porte da capital paulista e de cidades da Grande São Paulo e do interior do estado. A estratégia tinha sido usada pela Conrad um tempo atrás, aparentemente com bons resultados.

Nas bancas 3
Um jornal e uma revista flertam com quadrinhos. A edição de "A Voz da Serra", de Nova Friburgo (RJ), publica neste sábado uma história de Diego Vieira e Antonio Éder. E a revista "Sexy" deste mês traz uma narrativa de duas páginas feita por Odyr.

50 anos
Asterix vai ser muito lembrado pela imprensa hoje. Motivo justo: completa 50 anos neste dia 29. O herói criado na França terá um álbum comemorativo, "O Aniversário de Asterix e Obelix - O Livro de Ouro". No Brasil, a obra está na lista de lançamentos da Record.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 11h08
[comente] [ link ]

27.10.09

Convite: lançamento de Quadrinhos na Educação em Curitiba

 

 

Só um ajuste: Waldomiro Vergueiro teve de desmarcar a ida por conta de outros compromissos. A ausência dele foi confirmada após a confecção do cartaz.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 00h12
[comente] [ link ]

Fim de semana prolongado terá lançamentos em São Paulo

O clima do feriado de Finados contrasta com a ativa pauta de lançamentos deste fim de semana prolongado em São Paulo. A programação inclui quatro sessões de autógrafos.

Todos os eventos irão ocorrer na HQMix Livraria e fazem parte das comemorações dos dois anos da livraria, que se tornou um ponto focal de lançamentos em São Paulo.

Na sexta-feira, dia 30, às 19h30, há sessão de autógrafos do álbum "As Eletrizantes e Etílicas Aventuras das Velhas Virgens". A história é baseada na banda que dá título à obra.

                                                         ***

Na mesma data e horário, uma festa comemora os dois anos do Quarto Mundo, movimento que agrega autores independentes de diferentes partes do país.

No sábado, também às 19h30, há o lançamento do segundo número da revista independente "Sideralman", encabeçada por Will.

No mesmo dia, Fábio Zimbres faz uma sessão de autógrafos paulistana de "Vida Boa", coletânea de tiras publicada há alguns meses pela editora Zarabatana.

                                                          ***

A programação inclui ainda exposições. A livraria fica na Praça Roosevelt, 142, no centro.

                                                          ***

Post postagem (28.10, às 17h47): por puro esquecimento, esqueci de incluir na lista o lançamento do quinto número de "Café Espacial". Será no dia 31, às 19h30, também na HQMix Livraria. Agradeço a todos que me alertaram.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 23h56
[comente] [ link ]

E o detetive Diomedes ganha vida...

 

Circula na internet um teaser do projeto de adaptação do álbum em quadrinhos "O Dobro de Cinco", de Lourenço Mutarelli, publicado há dez anos pela editora Devir.

Mutarelli participa do vídeo, contracenando com Cacá Carvalho, irreconhecível na pele do protagonista. Veja a seguir a sequência, de pouco mais de um minuto e meio.

 

 

O vídeo foi disponibilizado no site da Birdo, empresa responsável pela sequência em animação. Os créditos incluem o quadrinista Rafael Grampá no design de produção.

São de Grampá, via Twitter, informações extras sobre o filme. Segundo ele, o projeto do longa está adormecido. O que faltaria para acordar seriam "milhões de reais".

Categoria: NA MÍDIA

Escrito por PAULO RAMOS às 11h05
[comente] [ link ]

26.10.09

Títulos de ontem, novos números de hoje, perspectivas para amanhã

 

Resenhas Independentes 5

 

Quadrinhópole. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

Revistas do Quarto Mundo têm tendência de trazer histórias curtas, como na curitibana "Quadrinhópole", lançada neste mês

 

 

 

 

 

 

 

Quando se vê uma dose concentrada de lançamentos independentes numa tacada só, como ocorreu neste mês no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), em Minas, é possível perceber com mais clareza coincidências na produção do Quarto Mundo.

Há o ponto comum de partida mais evidente, que é o compartilhamento do mesmo selo - Quarto Mundo -, grupo que reúne há dois anos quadrinistas de diferentes partes do país.

Integrar o grupo permite inserir a revista num modelo autônomo de distribuição, que consegue levar os títulos da diferentes cidades e estados. É algo a não ser ignorado.

Mas há afinidades em pelo menos outro ponto. Há uma tendência de as produções impressas do selo se pautarem em narrativas mais curtas, gerando contos em quadrinhos.

                                                          ***

Como em quase tudo, há exceções. A revista "Nanquim Descartável" serve de exemplo para justificar essa premissa. Os álbuns produzidos pelos mineiros da Graffiti também.

A maioria dos lançamentos do grupo vistos no FIQ, no entanto, seguia a regra. Ora em coletâneas, ora em produções solo ou em duo, eram coletâneas de histórias.

O segundo número de "Pieces" (36 págs., R$ 6), de Mário Cau, traz mais narrativas pessoais, a exemplo da edição de estreia, publicada no primeiro semestre.

A proposta de "Duo" (40 págs., R$ 4) é resumida logo na capa: "três histórias, dois autores, uma antologia". Os dois autores, no caso, são Pablo Casado e Felipe Cunha.

                                                          ***

Nas publicações mais conhecidas, que já tiveram outros números lançados, o molde de apresentar narrativas em quadrinhos curtas já se tornou a marca editorial das revistas.

É o que se vê nas novas edições de "Café Espacial" (60 págs., R$ 6, quinto número), "El Fanzine" (20 págs., R$ 2, segundo número), "Camiño di Rato" (48 págs., R$ 5, pulou do número um para o cinco) e "Quadrinhópole" (48 págs., R$ 5, oitavo número).

Um parêntese sobre a curitibana "Quadrinhópole": o editor dela, Leonardo Melo, havia dito em 2008 na entrega do Troféu HQMix que não iria produzir mais a revista.

Este oitavo número prova que a frase não se sustentou. E que a premiada publicação antologia de grupo voltou. Com narrativas curtas, todas pautadas em ficção científica.

                                                           ***

O Quarto Mundo completa dois anos neste mês. Há até uma festa programada para a próxima sexta-feira, às 19h30, na HQMix Livraria, em São Paulo (na Praça Roosevelt, 142).

A data é propícia para reavaliar a produção do grupo. Há mais pontos positivos que deméritos. Publicar quadrinhos na raça já deveria ser motivo de reconhecimento. E é.

Dizer que há coincidências na forma de produção editorial das histórias, priorizando narrativas mais curtas, não significa que as histórias não sejam bem escritas e desenhadas.

São, sim, embora com nuances entre elas, como é de se esperar. Qualidade o grupo tem.

                                                         ***

O ponto é que o grupo já domina bem esse molde, que deve continuar sendo produzido. Mas já há maturidade profissional para tatear outras áreas, tentar outras experiências.

Uma das áreas que poderiam ser exploradas são as tramas mais longas. É um pouco do que já faz a Graffiti, que produziu quatro álbuns, um deles lançado também no FIQ.

Há a questão do custo, do tempo, da divisão da produção com outros afazeres profissionais. Pesares reais. Afinal, são pouquíssimos os que vivem só de quadrinhos no país.

Mas dois anos autoriza uma reflexão mais aprofundada. Hoje, predominam os contos curtos. Amanhã, quem sabe, narrativas longas. Seria algo tão  revolucionário quanto.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 15h03
[comente] [ link ]

Uma tira que merece registro

 

A "Folha de S.Paulo" desta segunda-feira publica uma das melhores tiras que já tive oportunidade de ler. É da série "Macanudo", do argentino Liniers. Reproduzo a seguir:

 

 

Em tempo: a tira não é inédita. Foi publicada pela primeira vez no Brasil no volume inicial de "Macanudo", lançado no ano passado pela Zarabatana. A tira é a primeira da página 37. 

Categoria: NA MÍDIA

Escrito por PAULO RAMOS às 09h46
[comente] [ link ]

24.10.09

Revistas Peiote e Beleléu começam com pé direito

 

Resenhas independentes 4


 

Peiote. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

Capa do número de estreia de "Peiote", revista independente mineira que começou a ser vendida neste mês 

 

 

 

 

 

 

 

"Peiote" e "Beleléu" foram produzidas por grupos distintos, de estados diferentes. Mas, coincidentemente ou não, as duas revistas independentes têm pontos comuns.

As duas trazem histórias de diferentes autores. Outra convergência: ambas estrearam no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), realizado neste mês em Belo Horizonte (MG).

Tanto uma quanto outra publicam em papel tiras que destacaram virtualmente: uma nacional, "Desvio", e outra argentina, feita por Kioskerman, um dos seguidores de Liniers.

O principal elo entre as duas publicações, no entanto, é também o principal: tanto uma quanto outra começam com o pé direito, embora se destaquem por caminhos diferentes.

                                                          ***

"Peiote" (64 págs, R$ 10) foi produzida em Belo Horizonte. A revista mineira reúne trabalhos de autores de lá e material de de quadrinistas de outras cidades também.

A lista inclui alguns nomes familiares entre leitores da área, como Jaum - autor da maior parte das narrativas -, Luciano Irrthum, A. Moraes e Jean Okada, criadores de "Desvio".

As tiras ocupam um lugar de destaque: aparecem em duas das 16 páginas coloridas. 

De temática variável, o trabalho da dupla ajuda a compor o tom fantástico da publicação, tema autoproposto por Jaum, que encabeçou o projeto.

                                                          ***

Quem definiu muito bem o papel da "Peiote" foi Wellington Srbek, roteirista do álbum "Estórias Gerais" e um dos autores de destaque no estado.

Na leitura dele, veiculada numa postagem em seu blog, o "Mais Quadrinhos", a publicação sintetiza um momento de renovação do quadrinho mineiro.

De Ziraldo e Henfil até os nomes atuais, as Minas Gerais têm contribuído de diferentes formas para a produção nacional.

Hoje, além da "Peiote", há outro grupo de destaque em Belo Horizonte: o que mantém os álbuns e a revista independente "Graffiti 76% Quadrinhos".

 

Beleléu. Crédito: divulgação

 

 

 

 

Capa de "Beleléu", álbum produzido por autores do Rio de Janeiro 

 

 

 

 

 

 

 

"Beleléu" (84 págs.) tem uma pegada diferente da vista em "Peiote". Sai o fantástico, entre o humor. Às vezes surreal. Mas, ainda assim, cômico.

O álbum carioca é encabeçado por quatro autores: Daniel Lafayette, Eduardo Arruda, El Cerdo (Tiago Lacerda) e Stêvz. É o quarteto que produz a maioria das histórias.

Eles se dividem entre as tiras, cartuns e narrativas curtas apresentadas na publicação, feita toda em cores. O conteúdo é unido pelo humor, mas díspar na temática. 

Apesar disso, o grupo tentou criar dois pontos de contato. Dividiu a obra em duas partes: 1) "a morte é um estado de espírito"; 2) "viver é freestyle".

                                                          ***

O resultado é um produto gráfico bem cuidado, embora divergente no efeito de humor criado.

Além dos quatro autores, o grupo convidou dois quadrinistas argentinos para integrar a edição: Berliac e o já citado Kioskerman, que já sua estreia numa revista brasileira.

Dos dois, Kioskerman é sem dúvida o destaque. Ele ganhou projeção com um blog. Neste mês, parte do material foi reunida em sua primeira coletânea, "Éden".

Assim como ocorreu com "Desvio" em "Peiote", as tiras de Kioskerman captam bem a essência do humor de "Beleléu". Situações cômicas soltas, diferentes umas das outras.

                                                          ***

Há quem defenda que nem tudo o que se produz de forma independente é, de fato, bom. Mas, seguindo esse raciocíonio, o volume aumentariam as chances de qualidade.

Verdadeira ou não, a premissa pode ser perfeitamente aplicada a estas duas novas publicações. Com um adendo: elas se destacam logo na edição de estreia.

Mas há outra máxima sobre a publicação independente. Não basta ter um bom começo. É necessário também dar sequência ao trabalho, de forma regular.

O raciocínio também vale para "Peiote" e "Beleléu". Ambas iniciam com o pé direito, como dissemos linhas acima. O desafio é seguir em frente, sem perder a qualidade.

                                                          ***

Leia nas postagens abaixo resenhas de outros lançamentos independentes do mês.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 20h58
[comente] [ link ]

23.10.09

Ato 5 faz conto sobre amizade em meio à ditadura militar

 

Resenhas Independentes 3

 

Ato 5. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

Revista independente, lançada neste mês, foi produzida pela dupla André Diniz e José Aguiar 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Há diferentes formas de mostrar os reflexos que a ditadura militar (1964-1985) teve no país. Uma delas é observar o impacto que o regime teve na vida dos brasileiros.

Foi o caminho percorrido em "Ato 5", revista independente produzida por André Diniz e José Aguiar. A história se centra num trio de amigos: Juan, Gabriel e Lorena.

Os três participam de uma companhia de teatro, obrigada a enfrentar a resistência imposta pela autoridade militar. Em meio a isso, constroi-se um triângulo amoroso entre eles.

Mais do que uma relação de amor, o foco está nos laços de amizade estabelecidos. Amizade que resiste ao período ditatorial e ao tempo.

                                                          ***

A revista foi lançada neste mês no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos). Foi finalizada pouco antes do evento, realizado em Belo Horizonte (MG).

É a segunda parceria entre os dois autores publicada no último ano. A dupla fez "A Revolta de Canudos", que integra uma coleção de clássicos históricos da Escala Educacional.

Fatos históricos são um dos temas predominantes na produção em quadrinhos do eclético André Diniz, que também desenhou alguns de seus trabalhos.

Outro tema é a ditadura brasileira, assunto que pautou parte de suas histórias feitas para o selo Nona Arte, que tinha nele um dos cabeças. É agora retomado em "Ato 5".

                                                         ***

A revista mostra como o regime militar pode afetar diretamente a vida de um grupo de pessoas. Mas é também um relato de superação e da importância do valor da amizade.

Há um pouco disso também na própria concepção da história. Os dois autores produziram a obra do próprio bolso, como tantos outros têm feito no país nos últimos anos.

Mesmo à distância - Diniz no Estado do Rio de Janeiro e Aguiar no Paraná -, conseguiram superar os obstáculos físicos e engrenaram a parceria.

Há diferentes nomes que podem ser dados a todo esse esforço. Um deles é justamente superação. Como a lida na ficção que criaram a quatro mãos.

                                                          ***

Uma curiosidade: a revista, de 32 páginas, custa Cr$ 5. O valor é em cruzeiros mesmo, apesar de cobrado em reais. A brincadeira é para captar o clima monetário da época. 

                                                          ***

Leia resenhas de outros lançamentos independentes do mês:

  • "Foices & Facões - A Batalha do Jenipapo", de Bernardo Aurélio e Caio Oliveira (link);
  • "Saída 3", de Guga Schultze (link).

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 16h03
[comente] [ link ]

22.10.09

Livro de Will Eisner integra lista do PNBE 2010

 

Pequenos Milagres. Crédito: reprodução

 

 

 

 

 

 

 

"Pequenos Milagres" é um dos nove títulos em quadrinhos selecionados para serem levados às escolas no ano que vem 

 

 

 

 

 

 

As polêmicas envolvendo a entrada de obras de Will Eisner em escolas não ecoaram na nova lista do PNBE (Programa Nacional Biblioteca da Escola), do governo federal.

A relação de títulos selecionados para 2010 inclui "Pequenos Milagres", álbum em quadrinhos produzido pelo desenhista norte-americano e editado no Brasil pela Devir.

A publicação é uma das nove obras em quadrinhos que integram a listagem. É menos da metade do incluído no programa do ano passado, que teve 21 livros da área.

Dos nove títulos, sete são estrangeiros (o que equivale a aproximadamente 78% do total). Três são adaptações de obras literárias (33%). Destas, apenas uma é nacional.

                                                          ***

A relação dos livros foi publicada no Diário Oficial da União na edição do dia 13 deste mês. Veja a lista de obras em quadrinhos, destinada a diferentes níveis de escolaridade:

Ensino fundamental

  • "Os Pequenos Guardiões", de David Petersen (Conrad)
  • "Grande Junim - Histórias do Maior Baixinho da Turma do Menino Maluquinho", de Ziraldo (Globo)
  • "Mutts - Os Vira-Latas", de Patrick McDonnell (Devir)
  • "Usagi Yojimbo - Daisho", de Stan Sakai (Devir)

Educação de Jovens e Adultos, fim do fundamental e ensino médio

  • "Desista!", de Peter Kuper (Conrad)
  • "Estórias Gerais", de Wellington Srbek e Flávio Colin (Conrad)
  • "Memórias de um Sargento de Milícias", de Lailson de Holanda Cavalcanti (IBEP/Companhia Editora Nacional)
  • "Pequeno Príncipe em Quadrinhos", de Joann Sfar (Agir)
  • "Pequenos Milagres", de Will Eisner (Devir)

                                                         ***

O objetivo do programa é formar bibliotecas em escolas de todo o país. A maior parte das compras é de romances e literatura infantil. Quadrinhos entraram na lista há três anos.

O PNBE selecionou três obras de Eisner no ano passado: "Um Contrato com Deus e Outras Histórias de Cortiço", "A Força da Vida" e "O Sonhador".

Em 2006, um quarto título, "O Nome do Jogo", também foi listado para ser levado às escolas. Era a única obra do autor que ainda não havia causado polêmica. Era. Não é mais.

O álbum foi recolhido de bibliotecas de Vila Velha (ES) e devolvido ao governo federal, segundo noticia nesta quinta-feira o site G1. Motivo: conter cenas de sexo e termos chulos.

                                                          ***

Segundo a reportagem, um aluno de 12 anos retirou a obra da biblioteca da escola Leonel de Moura Brizola, onde estuda. Em casa, a mãe viu teve contato com o álbum.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 18h41
[comente] [ link ]

Ficção científica com final surpresa pauta álbum nacional

 

Resenhas Independentes 2

 

Saída 3. Crédito: reprodução

 

 

 

 

 

 

Capa de "Saída 3",  obra escrita e desenhada pelo artista plástico e quadrinista Guga Schultze

 

 

 

 

 

 

 

 

Há algumas narrativas que dizem a que vieram nos minutos finais. Um caso recente é o filme "Arraste-me para o Inferno", de Sam Raimi. O longa renasce no encerramento.

Há um quê disso em "Saída 3" (108 págs., R$ 20), quarto álbum da "Coleção 100% Quadrinhos", produzida pelo grupo da revista independente "Graffiti 76% Quadrinhos".

A obra, escrita e desenhada por Guga Schultze, constroi uma trama de ficção científica, tema raro em produções brasileiras mais longas, como esta.

Mas é no final, nas duas últimas páginas, que o autor dá o recado da história e revela o surpreendente motivo de tudo o que o leitor acompanhou até então.

                                                          ***

Claro que o desfecho não será revelado aqui. Omitir a conclusão da narrativa faz parte do acordo não declarado entre leitor e jornalista, algo inerente às resenhas.

O que se pode adiantar é que a história se passa numa região fictícia, dominada por uma força poderosa e maligna, mantida em segredo.

O assunto corre o risco de vir à tona quando um grupo de soldados cai numa armadilha e é obrigado e investigar uma enigmática e mística construção, mantida no deserto.

O contato da equipe armada com o que há nos escuros corredores do local leva aos fatos que serão trabalhados no final.

                                                          ***

"Saída 3" é o primeiro álbum em quadrinhos de Schultze. Antes, havia feito quadrinhos para a mineira Graffiti e outra obra independente, "A Guerra dos Imundos", de 1998.

A visita dele uma narrativa de mais fôlego marca uma boa estreia, tanto no texto quanto nos seus desenhos marcantes, que evidenciam o lado artista plástico dele.

A obra mantém a qualidade vista nos três títulos anteriores da coleção: "Um Dia, Uma Morte", "O Relógio Insano" e "A Comadre do Zé", lançado no início do ano.

O grupo da Graffiti tem acertado na escolha de seus autores e mostra um caminho a ser seguido pelas editoras, que começam a olhar com mais cuidado para produções assim. 

                                                          ***

Leia na postagem abaixo a resenha de "Foices & Facões - A Batalha do Jenipapo", outro lançamento independente deste mês.

                                                          ***

Post postagem (às 22h16): leitores me informam, corretamente, que o preço do álbum é R$ 20, e não R$ 30, como informava. Esta versão da resenha já traz o valor correto.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 17h06
[comente] [ link ]

20.10.09

Livro resgata episódio histórico pouco lembrado

 

Resenhas Independentes 1

 

Foices & Facões - A Batalha do Jenipapo. Crédito: reprodução

 

 

 

 

 

 

 

Capa de "Foices & Facões - A Batalha do Jenipapo", obra produzida por autores do Piauí 

 

 

 

 

 

 

 

 

A leitura de "Foices & Facões - A Batalha do Jenipapo" (200 págs., R$ 30) revela uma série de surpresas. A primeira é a própria obra em si, lançada neste meio de mês.

É uma produção nacional, que ajuda a reforçar a máxima de que há muito mais quadrinhos fora do eixo Rio-São Paulo, principais polos de concentração editorial do país.

Produzida no Piauí, recupera um episódio histórico vivido no estado em 1823: a Batalha do Jenipapo, que dá título ao trabalho.

Pouco lembrado, o conflito ajudou a consolidar a Independência do Brasil, proclamada um ano antes por Dom Pedro no Ipiranga, em São Paulo.

                                                          ***

A Batalha do Jenipapo envolveu piauienses, maranhenses e cearenses. Moradores dos três estados improvisaram instrumentos de luta para barrar o avanço de tropas portuguesas.

O exército era comandado por João José da Cunha Fidié. O objetivo era forçar os brasileiros da região a manterem, à força, o apoio à Coroa e a Dom João.

O sangrento conflito e os motivos que levaram a ele são relembrados em detalhes na narrativa em quadrinhos. O assunto é esmiuçado com calma, o que dá profundidade à obra.

O livro - outra surpresa - consegue, com isso, diferenciar-se de outras produções do gênero, que se preocupam mais com o aspecto didático para vendas a listas governamentais.

                                                          ***

A história em quadrinhos foi produzida com verba do governo estadual e demorou quase um ano e meio para ficar pronta. 

Os autores do projeto e da obra são dois irmãos: Bernardo Aurélio e Caio Oliveira. Este fez a arte; aquele, o roteiro. Ambos integram um núcleo de quadrinhos mantido no estado.

O aprofundamento no assunto, perceptível durante a leitura, possivelmente teve ajuda do lado historiador de Aurélio, formado na área pela Universidade Estadual do Piauí.

Mesmo assim, ele optou por mesclar os fatos com alguns aspectos ficcionais. Parte da narrativa se passa numa fazenda e mostra como se dá a luta entre seus moradores.

                                                          *** 

Numa época editorial em que editoras publicam adaptações literárias e obras históricas como pretexto para gordas vendas ao governo, "Foices & Facões" se diferencia.

A obra mostra que é possível fazer obras assim com qualidade e com o aprofundamento necessário. É um caminho que poderia servir de espelho para futuras produções do gênero.

O conteúdo é acessível, mas não simplificado a tal ponto que transforme a narrativa num retalho fragmentado e vago do episódio histórico e de seus motivos.

E ajuda a relembrar o episódio a brasileiros e, em particular, os do Piauí, que tem na data um dos alicerces históricos do estado.

                                                          ***

A obra é vendida em algumas lojas de quadrinhos de São Paulo e do Piauí. Outra forma de comprar é pelos e-mails: bernardohq@hotmail.com / nucleodequadrinhos.pi@gmail.com

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 11h48
[comente] [ link ]

18.10.09

Não é só Mauricio: Bidu também completa 50 anos de carreira

 

Bidu 50 Anos. Crédito: reprodução

 

 

 

 

 

 

 

Capa do livro "Bidu 50 Anos" foi inspirada no primeiro número da revista do personagem...

 

 

 

 

 

 

 

 

  Bidu 1, da Editora Continental. Crédito: reprodução

 

 

 

 

 

 

 

... publicada em 1960 pela Editora Continental; publicação é reeditada na obra comemorativa 

 

 

 

 

 

 

 

 

A comemoração dos 50 anos de carreira do criador da Turma da Mônica convergiu para o livro "MSP 50 - Mauricio de Sousa por 50 Artistas", vendido desde setembro.

A obra - que traz olhares de diferentes desenhistas sobre os personagens de Mauricio de Sousa - acabou ofuscando um outro lançamento feito para marcar a data.

"Bidu 50 Anos" (Panini, 160 págs., R$ 39,90) também foi pensado para celebrar um cinquentenário. No caso, o do primeiro personagem fixo do desenhista e empresário.

O álbum, produzido em capa dura, traz 22 histórias de diferentes momentos do cachorrinho azul: de quando foi criado até os dias atuais. A última narrativa foi feita em mangá.

                                                          ***

A leitura em sequência ajuda a ver como se deu a evolução visual do personagem ao longo das décadas. 

De início, o rosto era mais retangular e do tamanho do corpo. Com os anos, a cabeça ganhou ares proporcionais e um contorno mais arrendondado. 

A estreia de Bidu - e de seu dono, Franjinha - ocorreu em 18 de julho de 1959 no jornal "Folha da Manhã", mesma empresa que hoje publica a "Folha de S.Paulo".

Mauricio dividiu a produção da série com as reportagens policiais, função que tinha no jornal. Aos poucos, surgiram os outros personagens. E os crimes foram abandonados.

                                                         ***

Na introdução da obra, o desenhista diz que o cãozinho foi inspirado em um cachorro que teve na infância, parte dele vivida em Mogi das Cruzes, cidade do interior de São Paulo.

Mas o animal de estimação tinha outro nome: Cuíca. Segundo ele, Bidu surgiu após uma consulta feita entre os colegas da redação.

"Passei uma folha de papel pelas mesas, entre os jornalistas, para que dessem uma sugestão de batismo. O prêmio seria uma garrafa de bom vinho", diz, no texto introdutório.

"O nome Bidu foi indicado por um colega chamado Petinatti. Que não me lembro bem se recebeu o prêmio. Naquele tempo, até uma garrafa de vinho pesava no orçamento."

                                                         ***

A capa desta edição comemorativa é uma releitura do primeiro número da revista "Bidu", de 1960. Foi a primeira publicação de Mauricio de Sousa nas bancas.

A revista é reproduzida em "Bidu 50 Anos", com a mesma ortografia e tratamento editorial de quando foi lançada pela primeira vez pela Editora Continental.

O livro de luxo marca bem como se deu o início da trajetória do desenhista e empresário na área. O que veio depois todo mundo sabe, seja leitor de quadrinhos ou não.

Mais do que um registro comemorativo, a obra é um documento histórico. E, como tal, deveria ter registrado as revistas e o ano de publicação de cada uma das histórias. Faltou.  

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 16h54
[comente] [ link ]

17.10.09

Livro traz nova seleção de tiras de Aline

 

Aline + Otto + Pedro. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

"Aline + Otto + Pedro" será publicado pela editora Devir, que pretende lançar a obra nas próximas semanas

 

 

 

 

 

 

 

A Devir finaliza mais um livro com tiras de Aline, personagem criada por Adão Iturrusgarai. A editora pretende vender a obra entre o fim deste mês e o começo de novembro.

"Aline + Otto + Pedro" será o quarto álbum da moça viciada em sexo lançado pela Devir. Segundo a editora, o diferencial é que a seleção do material foi feita pelo próprio autor.

Outro diferencial é uma série de desenhos eróticos dela feitos por Adão. As pin-ups fecham o álbum e mostram Aline em posições sexuais explícitas. 

A personagem ganhou novo fôlego com a série homônima exibida pela TV Globo. Antigos livros com tiras dela - da Devir e da L&PM - têm sido expostos com destaque em livrarias.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 12h50
[comente] [ link ]

16.10.09

Registros rápidos

Volta dos Mortos-Vivos

A HQM confirmou o lançamento de "Mortos Vivos - Desejos Carnais" neste fim de semana na Fest Comix, feira de quadrinhos realizada em São Paulo. O quarto álbum da série (R$ 32,90) marca a volta da editora à área. A HQM ficou meses sem publicar títulos novos.

Caça-Fantasmas em mangá

A lista de lançamentos da Fest Comix - que começa hoje e vai até domingo - inclui uma versão mangá de "Os Caça-Fantasmas". A obra (R$ 14,90) é publicada pela NewPop. A editora estreia outros mangás no evento, como "El Alamein e Outras Batalhas" (R$ 14,90).

Ivan Reis não vai

O desenhista Ivan Reis cancelou a palestra que daria na Fest Comix, no próximo domingo, às 16h. O motivo foi a convocação para uma reunião com Eddie Berganza, editor da norte-americana DC Comics, em passagem pelo Brasil. Klebs Jr. o substitui no compromisso.

Robinson Crusoé

A Salamandra começou a vender nesta semana o álbum francês "Robinson Crusoé". A obra (R$ 39,90) é o segundo volume de uma coleção de adaptações que a editora programa lançar. A estreia foi com uma versão de "Frankenstein", lançada no início deste mês.

Quadrinhos em análise 1

Histórias de Luiz Gê serviram de base para o livro "Análise Textual da História em Quadrinhos", editado pela Annablume (R$ 40). A obra é coassinada pelo desenhista e por Antônio Vicente Pietroforte, professor de Linguística da Universidade de São Paulo.

Quadrinhos em análise 2

O lançamento de "Análise Textual da História em Quadrinhos" será na próxima sexta-feira, às 19h30, na HQMix Livraria, em São Paulo. A livraria fica na Praça Roosevelt, 142, no centro da cidade. Pietroforte já fez análises de quadrinhos em outras duas obras.

Filosofia mutante

Outro lançamento teórico é "X-Men e a Filosofia - Visão Surpreendente e Argumento Fabuloso", traduzido pela Madras (R$ 34,90). É a mesma editora que publicou "Batman e a Filosofia", obra que tinha proposta semelhante a esta.  

Quadrinho marginal

Começa amanhã, na Gibiteca Henfil, em São Paulo, a exposição "Quadrinho Marginal - 40 Anos". A abertura será às 16h, com um debate entre Marcatti, Gualberto Costa, Will e Tiago Judas. A mostra poderá ser visitada até 14 de dezembro. De graça.

Passo maior que a perna

Algumas bancas de São Paulo e do interior do estado estão vendendo "Timão em Estilo Mangá" a R$ 9,90. O valor é três vezes menor que o cobrado no lançamento, em julho (saía a R$ 29,90). Sinal de encalhe. Outra versão, em capa dura, custava R$ 59,90.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 12h32
[comente] [ link ]

15.10.09

Convite: lançamento de Quadrinhos na Educação em São Paulo

 

 

Também participam Alexandre Barbosa, João Marcos Mendonça, Lielson Zeni e Túlio Vilela.

O preço é R$ 35. Fica o convite para o lançamento. Até sábado.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 00h53
[comente] [ link ]

14.10.09

Pixu mostra experiência de Bá e Moon no gênero terror

 

Pixu. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

Álbum da editora Devir traz nova parceria dos desenhistas brasileiros com os estrangeiros Vasilis Lolos e Becky Cloonan 

 

 

 

 

 

 

 

 

O álbum "Pixu" tem dois fortes cartões de visita: uma indicação ao Eisner Awards, principal premiação dos quadrinhos nos Estados Unidos, e a recente vitória de um dos autores, o paulistano Gabriel Bá, como melhor desenhista norte-americano no Harvey Awards.

Mas, para o leitor brasileiro que acompanha a trajetória dos trabalhos de Bá e do irmão dele, Fábio Moon, a obra da Devir (128 págs., R$ 18,50) tem um outro atrativo.

A publicação mostra uma incursão por um gênero pouco explorado por eles, o terror. Até então, a dupla se pautava em narrativas ancoradas nas pessoas e em seus relacionamentos.

A temática nova mostra que ambos conseguem transitar bem e sem receio por outros terrenos quadrinísticos. Consequência de um amadurecimento profissional, conquistado ao longo dos anos por méritos próprios.

                                                           ***

Já faz alguns anos que Bá e Moon flertam com o mercado norte-americano de quadrinhos. Os dois têm galgado um gradativo destaque, refletido nas várias premiações e indicações conquistadas por lá.

"Pixu" é outro reflexo desse novo momento profissional. A obra foi lançada de forma independente primeiro nos Estados Unidos, em 2008. Agora, chega ao Brasil.

É uma nova parceria com a italiana Becky Cloonan - que vive no Brooklyn - e do grego Vasilis Lolos.

Os quatro - com o brasileiro Rafael Grampá - ja haviam trabalhado juntos na revista "5", premiada no Eisner de 2009 na categoria antologia.

                                                            ***

Esta história de terror é ambientada num enorme casarão, que abriga diferentes pessoas. Aos poucos, todas percebem manchas escuras no entorno de onde estão.

As enigmáticas marcas, aos poucos, começam a afetar a vida delas. E o modo como vivem e agem. Os quatro autores se alternam nos desenhos durante toda a trama.

"A Becky e o Vasilis gostam de Lovecraft, de monstros e vampiros. O Fábio e eu temos medo do escuro, daquilo que você não vê, não sabe o que é, mas imagina. O terror do inomimável", explica Bá em seu blog, o "10 Pãezinhos".

"Foi diante deste suspense em relação aos monstros invisíveis que se escondem nas sombras da nossa imaginação que nasceu o "Pixu"."

                                                           ***

A palavra que dá título à série, como explica a página inicial do álbum, quer dizer "a marca do mal que prenuncia a morte iminente".

O termo sintetiza exatamente o que a trama oferece ao leitor. Mas, por mais que se paute no medo, a obra revela coragem.

Coragem dos autores brasileiros de fazer uma produção diferente da que estão acostumados, buscando experimentar novos caminhos na área.

O resultado é um terror mais psicológico, que tem um lançamento paulista nesta quarta-feira à noite, em São Paulo, na Fnac Pinheiros. A primeira sessão de autógrafos foi na semana passada no FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, em Belo Horizonte.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 15h43
[comente] [ link ]

Exposição em SP mostra como são os quadrinhos africanos

Aqui no Brasil, os quadrinhos africanos são desconhecidos. Uma exposição, que tem abertura nesta quarta-feira à noite, em São Paulo, tenta contornar esse vácuo.

"Picha - Cultura Pop Africana", nome da mostra, vai apresentar diferentes produções feitas no continente. "Picha" é uma palavra que quer dizer "desenho".

A exposição foi organizada pela NCDO, entidade holandesa que estimula cooperação internacional entre países. 

A primeira exibição da mostra ocorreu na Holanda, em 2008. Depois passou pela Nigéria, no fim do ano passado, e na Espanha, no primeiro semestre. Agora, chega ao Brasil.

                                                           ***

Uma das organizadoras da exposição aqui no Brasil é a pesquisadora Sônia Bibe Luyten. Segundo ela, a ideia de trazer uma mostra assim ao país vem desde 2007.

Ela estará na abertura da mostra hoje à noite. Participam também o desenhista afro-americano David Brown e o brasileiro Maurício Pestana, que tem quadrinhos sobre negros.

Outro pesquisador, Nobu Chinen, também vai participar da cerimônia de abertura. Chinen desenvolve um doutorado na Universidade de São Paulo sobre o negro nos quadrinhos.

A abertura será às 20h no Museu Afro Brasil, local da exposição. "Picha - Cultura Pop Africana" poderá ser visitada até o dia 8 de novembro.

                                                           ***

Serviço - Exposição "Picha - Cultura Pop Africana". Quando: a abertura é hoje (14.10); a mostra fica até 08.11. Horário: a abertura é às 20h; nos demais dias, pode ser visitada das 10h às 17h. Onde: Museu Afro Brasil. Endereço: av. Pedro Álvares Cabral, sem número, Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Quando: de graça.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 09h25
[comente] [ link ]

13.10.09

Tocaia mostra lado quadrinista de Gilberto Maringoni

 

Tocaia e Outros Quadrinhos. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

"Tocaia e Outros Quadrinhos" reúne 14 histórias feitas pelo desenhista entre 1989 e 2002

 

 

 

 

 

 

Gilberto Maringoni é um profissional eclético. Professor de jornalismo, pesquisador, autor de livros-reportagem, arquiteto por formação, doutor em história.

Outra das habilidades dele é a de autor de histórias em quadrinhos. É essa faceta que pauta "Tocaia e Outros Quadrinhos", que ele lança nesta terça-feira à noite em São Paulo (Devir, 112 págs., R$ 45).

O álbum é uma coletânea de 14 narrativas feitas por ele entre 1989 e 2002. A maior parte foi publicada no Brasil. Algumas, em países europeus.

Mais do que uma reunião de histórias, a obra tem uma segunda função: a de apresentar a uma nova geração quem foi Gilberto Maringoni, autor que merece ser (re)descoberto.

                                                          ***

Maringoni é da geração de Lourenço Mutarelli, Marcatti, André Toral. Autores que viveram a duras penas a tarefa de publicar quadrinhos nacionais no país na década de 1990.

Esta coletânea é uma metonímia desse processo. Basta observar algumas das revistas onde as histórias foram publicadas: "Kyx-93", "Lúcifer", "Panacéia", "Metal Pesado".

São publicações que tiveram uma saúde editorial diferenciada, umas duraram mais, outras menos. Mas todas tiveram o mesmo fim terminal, como em geral ocorria na época.

Mas, em meio à UTI editorial que eram os quadrinhos nacionais adultos de então, conseguiam-se resultados muito bons. As histórias de Maringoni comprovam isso.

                                                          ***

O autor faz contos em quadrinhos. Narrativas curtas, porém pontuais, críticas, atuais apesar da distância de tempo de quando foram publicadas.

Maringoni tentou agrupar as histórias por temas, de modo a dar uma espécie de unidade à leitura. Não precisava. O tema urbano, às vezes biográfico, domina o conteúdo delas.

Talvez por influência da formação de arquiteto, formado pela Universidade de São Paulo, o cenário urbano aparece com maior ou menor destaque em seus contos.

Nas de maior destaque, tornam-se o tema central do conto. Como no de abertura, em que o viaduto do Minhocão, em São Paulo, cruza o apartamento de um dos moradores.

                                                         ***

Chargista, Maringoni tem centrado seus últimos trabalhos em quadrinhos nesse gênero. Por isso, ainda é pouco conhecido por uma nova geração.

"Tocaia e Outros Quadrinhos" ajuda a trazer as histórias dele a novos leitores e também a pessoas que normalmente não costumam ler histórias em quadrinhos.

Mesmo para quem já leu as produções dele aqui e ali, todas esparsas, a leitura em sequência ajuda a revelar nuances comuns entre os roteiros, agora redescobertos.

Maringoni é um autor acima da média, como revelam estes contos. O momento editorial é mais tranquilo que o dos 90. Quem sabe ele resolva apostar novamente na área.

                                                          ***

Serviço - Lançamento de "Tocaia e Outros Quadrinhos". Quando: hoje (13.10). Horário: das 18h30 às 21h30. Onde: livraria Martins Fontes. Endereço: Avenida Paulista, 509.

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 11h00
[comente] [ link ]

Gabriel Bá vence mais um prêmio de quadrinhos nos Estados Unidos

 

Página de The Umbrella Academy, desenhada por Gabriel Bá. Crédito: reprodução do site da editora Devir

 

 

 

 

 

 

 

Brasileiro foi premiado no Harvey Awards como melhor desenhista pelo trabalho na série "The Umbrella Academy", mostrada ao lado 

 

 

 

 

 

 

 


Gabriel Bá venceu o Harvey Awards, uma das premiações da indústria norte-americana de quadrinhos. O brasileiro ganhou na categoria melhor desenhista de 2008.

Os nomes foram divulgados neste fim de semana na Baltimore Comicon, convenção de quadrinhos realizada nos Estados Unidos.

Bá foi premiado pelo trabalho feito em "The Umbrella Academy", escrita por Gerard Way. A obra já havia vencido o Harvey do ano passado como melhor nova série. 

Dado curioso: o brasileiro concorria com Frank Quitely, vencedor do último Harvey como melhor desenhista. Ambos haviam sido indicados neste ano. Inverteram as posições.

                                                          ***

"The Umbrella Academy" venceu um segundo prêmio no Harvey deste ano, o de melhor colorista, para Dave Stewart.

As primeiras histórias da série foram lançadas no Brasil na semana passada no FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, realizado em Belo Horizonte.

Bá e o irmão dele, o também desenhista Fábio Moon, disputavam uma outra categoria, a de melhor antologia pelo número inicial de "Pixu". O prêmio ficou com "Comic Book Tattoo".

A série de terror "Pixu" também teve um primeiro lançamento no FIQ e terá uma segunda sessão de autógrafos nesta quarta-feira à noite na Fnac Pinheiros, em São Paulo.

                                                           ***

O trabalho em "The Umbrella Academy" tem sido bastante premiado nos Estados Unidos. No ano passado, conquistou um Eisner Awards de melhor minissérie.

O Eisner é a principal premiação de quadrinhos dos Estados Unidos. Bá concorreu neste ano como melhor desenhista e autor de capas.

Em 2008, Bá venceu com a antologia "5", feita em parceria com o irmão e com outro brasileiro, Rafael Grampá. Os estrangeiros Vasilis Lolos e Becky Cloonan também participaram.

No Brasil, ele e Fábio Moon ganharam em 2008 um Prêmio Jabuti pela adaptação em quadrinhos do conto machadiano "O Alienista".

                                                          ***

Gabriel Bá falou sobre "The Umbrella Academy" e a respeito de seu atual momento profissional em entrevista veiculada no blog na semana passada. Clique aqui para ler.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 10h05
[comente] [ link ]

12.10.09

Semana tem overdose de eventos sobre quadrinhos

O FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, termina hoje em Belo Horizonte e já começa uma overdose de eventos ligados à área. A maratona tem início nesta terça-feira.

No Rio de Janeiro, vai ocorrer a 2ª Semana de Quadrinhos na Travessa. Em São Paulo, três eventos: HQ o Quê, Fest Comix e inauguração da segunda loja da HQMix Livraria.

A Fest Comix é conhecida por dar descontos de pelo menos 20% no títulos em quadrinhos à venda, novos ou antigos. A feira de quadrinhos vai ocorrer entre os dias 16 e 18.

A programação terá também uma série de lançamentos. Veja a seguir a relação do que vai ocorrer, segundo os sites dos eventos e as informações passadas à impresa.

                                                          ***

2ª Semana de Quadrinhos na Travessa / Rio de Janeiro

  • 13.10, 19h30 - Mesa "BD o quê? HQs à francesa no Brasil", com Guy Delisle, J.C. Camus e Olivier Tallec. Após o debate, os autores autografam os álbuns "Shenzhen", de Delisle, e "Negrinha"
  • 14.10, 19h30 - Mesa "Muito Além do Riso - Novos Temas e Traços", com os desenhistas Tiago Lacerda, André Dahmer e Daniel Laffayete
  • 15.10, 19h30 - Mesa "Os Quadrinhos e Seus Gêneros", com Leandro Assis e Carlos Patati
  • 16.10, 19h30 - Mesa "HQ da Vida Real - Biografias e Reportagens em Quadrinhos", com Arnaldo Branco, Allan Sieber, Lobo e Aristides Dutra

Serviço - Todos os debates serão realizados na Livraria da Travessa do Barra Shopping, no Rio de Janeiro, sempre às 19h30. A entrada é franca.

                                                          ***

HQ o Quê / São Paulo

  • 13.10, 19h - Bate-papo com Craig Thompson, com participação de Gabriel Bá e Fábio Moon
  • 14.10, 19h - Lançamento de "Pixu", de Gabriel Bá, Fábio Moon, Vasilis Lolos e Becky Cloonan

Serviço - O bate-papo e o lançamento serão realizados na unidade Pinheiros da livraria Fnac. A entrada é franca.

                                                          ***

Inauguração da HQMix Noir Livraria / São Paulo

  • 14.10, 19h30 - Festa de inauguração e lançamentos de "Shenzhen", de Guy Delisle, e sessão de autógrafos de "A Poção do Tempo", de Caio Luiz Ferrari Martins
  • 16.10, 19h30 - Sessão de autógrafos do desenhista norte-americano David Brown e do brasileiro Maurício Pestana

Serviço - A HQMix Noir Livraria fica na rua Augusta, 331, perto do centro de São Paulo.

                                                          ***

Fest Comix / São Paulo

16.10 - Palestras e lançamentos

  • 14h - Lançamento da revista de cinema "Movie", com André Forastieri
  • 16h - Palestra com Ana Recalde, roteirista do mangá nacional "Patre Primordium"
  • 18h - Palestra com Marcelo Cassaro e Petra Leão, de "Turma da Mônica Jovem"

17.10 - Palestras

  • 11h - Levi Trindade, editor da DC Comics no Brasil
  • 12h - Palestra com a desenhista Adriana Melo
  • 14h - Bate-papo com editores da HQM
  • 16h - Palestra com o desenhista Felipe Massafera
  • 18h: Palestra com Marcelo Del Greco, editor da JBC

18.10

  • 11h - Talk-show com Mitsuko Horie, cantora e dubladora
  • 14h - Palestra com o desenhista Caio Cacau
  • 16h - Bate-papo com o desenhista Ivan Reis

Serviço - A Fest Comix será realizada no Colégio São Luís, que fica na rua Luís Coelho, 323. Nos dias 16 e 17, fica aberta das 10h às 20h. No dia 18h, das 10h às 18h.

                                                          ***

Lançamentos / São Paulo

  • 13.10, 19h30 - "Sem Palavras", de Samuca. Onde: HQMix Livraria. Endereço: Praça Roosevelt, 142, centro
  • 13.10, 18h30 - "Tocaia e Outros Quadrinhos". Onde: livraria Martins Fontes. Endereço: Avenida Paulista, 509
  • 15.10, 19h30 - "Mundo Mendelévio e o Planeta Telúria", de João Marcos Mendonça. Onde: HQMix Livraria. Endereço: Praça Roosevelt, 142, centro
  • 15.10, 19h30 - "Foices e Facões - A Batalha do Jenipapo", de Bernardo Aurélio e Caio Oliveira. Onde: HQMix Livraria. Endereço: Praça Roosevelt, 142, centro
  • 17.10, 19h30 - "Quadrinhos na Educação - Da Rejeição à Prática", de Alexandre Barbosa, João Marcos Mendonça, Lielson Zeni, Túlio Vilela e Waldomiro Vergueiro. Também integro a obra. Onde: HQMix Livraria. Endereço: Praça Roosevelt, 142

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 20h21
[comente] [ link ]

Links para saber como foi o FIQ 2009

 

Renato Canini. Crédito: reprodução do Flickr do FIQ

 

 

 

 

Renato Canini em debate neste 6º FIQ

 

 

 

 

Termina hoje em Belo Horizonte (MG) a 6ª edição do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos). Realizado a cada dois anos aqui no Brasil, o evento tem como diferencial a reunião, num mesmo espaço, de autores nacionais e estrangeiros.

Desta vez, fiz uma passagem relâmpago pelo festival. Estive na tarde e noite da sexta-feira para um debate e o lançamento de "Quadrinhos na Educação - Da Rejeição à Prática".

Os compromissos me impediram de cobrir o FIQ como gostaria e com a seriedade que o evento exige.

Por isso, em vez de postar uma reportagem aquém, prefiro indicar quem ficou durante todo o tempo por lá e fez uma cobertura exemplar do que ocorreu no festival.

                                                         ***

Há boas fotos no Flickr oficial do FIQ. É de lá que reproduzi a imagem de Renato Canini, que abre esta postagem. Canini foi o homenageado desta sexta edição.

Nas reportagens, sugiro a leitura dos textos feitos pelos colegas Érico Assis, no site "Omelete", e Dandara Palankof, para a revista virtual "Zé Pereira".

Cada um se destaca por um diferencial. Érico fez um diário do FIQ, com um texto solto e gostoso de ler, mesclando informações, bastidores e impressões pessoais.

Dandara fez um relato minucioso de parte das mesas-redondas do festival. A cobertura dela dá ao leitor a sensação de ter estado no debate, mesmo que virtualmente.

                                                           ***

Seguem os links: Omelete, Zé Pereira, Flickr do FIQ.

Categoria: NA MÍDIA

Escrito por PAULO RAMOS às 13h23
[comente] [ link ]

11.10.09

Registros rápidos do FIQ

Contrato renovado

Ivan Reis, um dos convidados do FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, disse que renovou contrato de exclusividade com a norte-americana DC Comics. O acordo vale até 2012. Reis desenha a minissérie "Blackest Night", principal saga da editora hoje.

Novos Talentos

A Pixel cumpriu o prometido: publicou os trabalhos do segundo e terceiro colocados no prêmio Fnac Novos Talentos, realizado no ano passado. A edição, de 28 páginas, estava disponível no FIQ e traz quadrinhos e Luendey Maciel e Victor Gáspari.

Overdose independente

Já se sabia que o FIQ concentraria um grande número de lançamentos independentes. Mas, circulando pelo Palácio das Artes, local do evento mineiro, era claro que a quantidade foi ainda maior, tanto nos estandes quanto no boca a boca, diretamente com os autores.

Álbum nacional

Uma dessas surpresas independentes foi "Saída 3", quarto álbum nacional produzido pelo grupo mineiro da "Graffiti 76% Quadrinhos", que também teve lançamento do festival. "Saída 3" é uma história de ficção científica, escrita e desenhada por Guga Schultze.

Rio made in France

A editora Desiderata começou a vender no FIQ o álbum "Negrinha". A obra é ser ambientada no Rio de Janeiro. A curiosidade é que se trata de um olhar estrangeiro sobre a cidade maravilhosa. O texto é do francês Jean Christophe Camus e a arte de Olivier Tallec.

Próximos lançamentos 1

A Zarabatana, que lançou "Macanudo 2" e "Shenzhen" neste FIQ, divulgou um folheto com os próximos títulos da editora. A lista inclui cinco publicações: dois álbuns nacionais, dois estrangeiros e um livro-reportagem.

Próximos lançamentos 2

Os álbuns nacionais da Zarabatana são "Bando de Dois", de Danilo Beyruth, e o já anunciado "Jambocks", de Celso Menezes e Felipe Massafera. Ambos foram selecionados no edital paulista de incentivo à produção de histórias em quadrinhos.

Próximos lançamentos 3

Os dois títulos estrangeiros são a terceira coletânea de "Macanudo", de Liniers, e "A Guerra de Alan", de Emmanuel Guibert, que fez a arte de "O Fotógrafo". A Zarabatana vai publicar também "Bienvenido", um livro sobre os quadrinhos argentinos, escrito por este jornalista.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 11h55
[comente] [ link ]

09.10.09

Livro debate inclusão oficial dos quadrinhos na área de ensino

 

Quadrinhos na Educação - Da Rejeição à Prática. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

Obra da Editora Contexto tem lançamento nesta sexta-feira, às 20h, no FIQ, em Belo Horizonte

 

 

 

 

 

 

 

 


Um livro mostra quais foram as políticas de ensino adotadas desde o fim do século passado que culmiram na entrada oficial dos quadrinhos na área da educação.

O lançamento de "Quadrinhos na Educação - Da Rejeição à Prática" (Contexto, 224 págs., R$ 35) será hoje, às 20h, no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), em Belo Horizonte.

Além de mostrar como se deu o ingresso dos quadrinhos como política de ensino, a publicação dá foco aos títulos do PNBE (Programa Nacional Biblioteca da Escola).

O programa compra acervos anuais de diferentes editoras e repassa o material a bibliotecas escolares de todo o país. A lista inclui quadrinhos desde 2006.

                                                          ***

O livro foi organizado por mim e por Waldomiro Vergueiro, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, e conta com artigos de outros quatro pesquisadores: João Marcos Mendonça, Lielson Zeni, Túlio Vilela e Alexandre Barbosa.

O início é com um capítulo introdutório, que explica a trajetória recente dos quadrinhos nos documentos oficiais do Ministério da Educação. Os demais esmiúçam as obras do PNBE.

Os títulos selecionados pelo governo entre 2006 e 2009 foram agrupados em seis áreas temáticas: infantil, humor, mangá, aventura, biografias e adaptações literárias.

Cada um dos capítulos traz um histórico daquela área temática, sugestões de como aplicar as obras do PNBE no ensino e sugere outras, não incluídas nas listas do governo.

                                                          ***

Não era a intenção inicial, mas o livro acabou funcionando como uma resposta acadêmica às polêmicas envolvendo quadrinhos vistas no fim primeiro semestre.

Uma das obras criticadas foi selecionada pelo PNBE em 2008 e distribuída às escolas neste ano. Trata-se de "Um Contrato com Deus e Outras Histórias de Cortiço".

O álbum - escrito e desenhado por Will Eisner - trazia contos curtos ambientados nos Estados Unidos nas décadas iniciais do século 20.

Houve políticos e educadores de diferentes estados que viram alusão a pedolifilia em uma das cenas. A publicação causou polêmica em São Paulo e foi proibida em estados do sul.

                                                          ***

A polêmica começou em maio, em São Paulo, com a distribuição pelo governo paulista de "Dez na Área, Um na Banheira e Ninguém no Gol" a crianças de nove anos.

A obra nacional foi pensada para o leitor adulto e trazia alguns palavrões. O governo recolheu o álbum e assumiu haver falha no processo de seleção.

Mas as primeiras entrevistas do governador José Serra e a cobertura de parte da grande mídia dividiam o ônus com os autores, que não teriam feito uma obra infantil.

Outros livros, que não eram em quadrinhos, também foram recolhidos pelo governo estadual nos dias seguintes por inadequação ao público a que eram destinados.

                                                          ***

Serviço - Lançamento de "Quadrinhos na Educação - Da Rejeição à Prática". Quando: hoje (09.10). Onde: FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos. Endereço: Palácio das Artes, Endereço: Palácio das Artes, em Belo Horizonte (MG). Endereço: Avenida Afonso Pena, 1.537. Antes, às 18h30, vai haver mesa-redonda sobre o tema.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 06h39
[comente] [ link ]

08.10.09

Desenhista contrai gripe suína e cancela participação no FIQ

O desenhista brasileiro Joe Bennett suspendeu sua participação nesta sexta edição do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), realizado em Belo Horizonte (MG). Segundo a organização do evento, ele contraiu gripe suína.

O cancelamento da ida dele foi informado agora à tarde no site oficial do FIQ. Benett iria integrar uma mesa sobre os 70 anos do personagem Batman nesta sexta-feira à noite.

O quadrinista, que atua no mercado norte-americano, iria dividir a sessão com outros brasileiros que trabalham para editoras dos Estados Unidos. A mesa está confirmada.

O site do FIQ divulgou também uma nota sobre a chuva que estragou parte dos estandes. O texto reitera o que já havia sido dito ao blog de manhã: a programação segue normalmente.

                                                         ***

A assessoria de imprensa do festival informou agora há pouco, por telefone, que a área externa do Palácio das Artes, onde ocorreram os estragos, será reaberta às 18h de hoje.

O espaço ficou fechado durante o dia. A forte chuva provocou vazamentos e molhou parte do acervo à venda. Os estandes tiveram de ser realocados. Houve alagamentos na cidade.

Os problemas causados pela chuva começaram a ecoar na rede social Twitter. Um dos integrantes relatou que há obras com desconto por estarem "levemente" molhadas.

Íntegra do relato: "No estande da Quadrinhos na Cia, tem dois exemplares de Retalhos levemente úmidos a R$ 27,50 (custa R$ 49 "seco").

                                                          ***

Leia mais sobre os problemas causados pela chuva no FIQ na postagem abaixo.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 16h42
[comente] [ link ]

Chuva em Belo Horizonte estraga parte dos estandes do FIQ

Uma forte chuva que caiu ontem à noite em Belo Horizonte estragou parte do material de estandes de quadrinhos do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), realizado na cidade.

Os pontos de venda ficavam numa tenda, na parte de fora do Palácio das Artes, local do evento. O principal problema foi vazamento de água, que molhou parte das obras expostas.

Até as 10h30 da manhã desta quinta-feira, hora em que esta postagem é escrita, ainda não havia luz na área dos estandes. No mesmo lugar, fica a praça de alimentação.

Houve falta de energia em outros pontos da cidade. Estima-se que o problema tenha prejudicado 120 mil moradores. A chuva começou por volta das 20h30 e durou uma hora.

                                                         ***

Segundo a assessoria de imprensa do FIQ, a chuva não afetou a parte interna do Palácio das Artes, onde ocorrem os debates e estão as exposições de autores.

Por isso, as mesas-redondas de hoje ficam mantidas. A única dúvida até o momento é quanto aos lançamentos, que seriam realizados à tarde e à noite na área externa.

Pela programação, dois convidados estrangeiros autografam obras hoje no festival: o canadense Guy Delisle e o argentino Liniers. Há também dois lançamentos nacionais.

O FIQ começou na última terça-feira. O evento, um dos principais do país na área de quadrinhos, será realizado até a próxima segunda-feira.

                                                          ***

Post postagem (às 11h44): Os lançamentos desta quinta-feira do FIQ estão mantidos, segundo informou há pouco, por telefone, Afonso Andrade, diretor-geral do evento.

Os autógrafos irão ocorrer na parte interna do Palácio das Artes até a tenda ser liberada. Os estandes serão realocados para um espaço mais adentro, fora de vazamentos.

"Hoje à noite ou no mais tardar amanhã a tenda estará funcionando normalmente", disse.

A luz na área externa, onde fica a tenda com os estandes de obras, já foi restabelecida. Segundo Andrade, o corpo de bombeiros esteve no local na manhã desta quinta-feira e disse que a chuva não comprometeu a segurança da estrutura.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 10h40
[comente] [ link ]

Ilustrador prepara livro sobre histórias Disney de Renato Canini

 

Ilustração de Zé Carioca feita por Rentato Canini

 

Na mesma semana em que Renato Canini é homenageado no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), em Belo Horizonte, o desenhista se torna notícia por um outro motivo: ele é tema de uma pesquisa sobre seu trabalho, programada para virar livro.

O estudo é feito pelo ilustrador Fernando Ventura e detalha a passagem de Canini pela redação de quadrinhos Disney da Editora Abril.

O desenhista ficou conhecido por criar um visual mais malandro e abrasileirado das histórias de Zé Carioca publicadas na década de 1970 e reeditadas até hoje. Ele trocou o paletó, o guarda-chuva e o chapéu por uma camiseta e calças amarrotadas.

O humor das tramoias criadas pelo personagem também mudou. Pobretão, estava sempre endividado. Tanto que existia até uma entidade só de quem levou calote dele, a Anacozeca, Associação Nacional dos Cobradores do Zé Carioca.

                                                          ***

Nascido em 1980, Fernando Ventura teve o primeiro contato com essas histórias quando elas começaram a ser relançadas no país. Anos depois, toraram-se interesse de pesquisa.

Já faz alguns anos que ele faz o levantamento de tudo o que Canini para a Disney na Abril. Parte dos resultados já está disponível para consulta no site "Inducks", catálogo virtual sobre quadrinhos Disney em diferentes países, entre eles o Brasil.

Os desenhos de Canini pararam depois que ele foi demitido em 1976 ou 1977 - a data não é precisa - por orientação da matriz estadunidense.

Segundo Ventura, a explicação dada a ele, na época, foram baixas vendas. O real motivo só veio a público anos depois: o personagem havia ganhado destaque próprio nas mãos dele.

                                                          ***

Foi algo semelhante ao que ocorreu com as aventuras de Pato Donald, Tio Patinhas e companhia criadas pelo norte-americano Carl Barks. Este criava, Disney levava a fama.

O primeiro reconhecimento da Abril ao trabalho de Canini se deu em 2005, num dos números da coleção "Mestres Disney". O álbum era todo dedicado a ele e trazia uma história sua feita para a publicação, cheia de menções cifradas ao seu desligamento.

O autor foi tema também de um mestrado, defendido na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. A pesquisa foi desenvolvida pelo quadrinista Eloar Guazzelli.

Mas nenhum dos dois casos - o álbum e o mestrado - fazia um raio-x da carreira dele na Abril. O livro de Ventura se propõe a fazer.

 

Trecho de história de Zé Carioca feita por Fernando Ventura

 

Ventura ainda não tem editora definida, nem data certa para publicação. Mas sabe a história em quadrinhos com que pretende abrir a obra.

É uma narrativa de cinco páginas que escreveu e desenhou para a edição de "Mestres Disney" dedicada a Canini, que hoje mora em Pelotas, no Rio Grande do Sul, de onde faz charges para jornais da região. Parte da história de Ventura é mostrada acima.

A narrativa não foi incluída na edição. Cedeu espaço a outra, feita de próprio punho por Canini, que, após deixar os desenhos de Zé Carioca, permaneceu por mais alguns anos na editora apenas como roteirista.

É esse segundo momento dele na Abril um dos nós que adia a finalização do livro. Como as histórias não eram assinadas por quem as fazia, fica difícil saber quais Canini realmente fez.

                                                           ***

A dificuldade em concluir o levantamento é um dos temas da entrevista que o blog fez nesta semana com Fernando Ventura, um paulistanode 29 anos formado em design gráfico.

Outro sinal de que a finalização do livro deve ser acelerada foi a morte de Ivan Saidenberg, no último dia 30 de setembro.

Saidenberg foi um dos roteiristas das histórias de Zé Carioca desenhadas por Canini. Também criou personagens ligados a Peninha, como Morcego Vermelho e Pena Kid.

A conversa com Ventura começa com a concepção do projeto e de como ele passou a olhar de um outro jeito os quadrinhos produzidos por Renato Canini.

                                                          ***

Blog - Como surgiu a ideia de fazer um livro sobre o trabalho de Canini?
Fernando Ventura
- A ideia surgiu quando eu ainda era aluno de desenho do Waldyr Igayara. Iga brindava semanalmente seus alunos com histórias maravilhosas sobre sua vida e carreira nos quadrinhos e sempre falava com muito carinho sobre Canini. Ele me mostrou os trabalhos de Canini na revista "Recreio" e contou sobre a pressão americana para que Canini mudasse seu estilo ou deixasse o personagem. Em paralelo, eu começava minha carreira como roteirista e desenhista e iniciava minha colaboração com o Arthur Faria Jr. no "Inducks" (base de dados mundial dos quadrinhos Disney). Esses primeiros estudos resultaram em uma monografia de especialização em design gráfico na Faculdade de Belas Artes de São Paulo (hoje Centro Universitário Belas Artes) intitulada "Zé Carioca no Traço do Canini", defendida em 2004. 
 
Blog - A obra vai abranger apenas a passagem dele pela Abril? Ou vai considerar outros trabalhos dele?
Ventura
- O foco da obra é a carreira Disney de Canini. Mostro quem eram os roteiristas por trás das histórias, os bastidores e em alguns casos até quem eram os letristas e coloristas. Contextualizo, sem esgotar o assunto, tanto o Zé Carioca antes e depois do Canini, quanto o Canini antes e depois do Zé Carioca, para que fique claro ao leitor a importância que um teve na carreira do outro e o que motivou a Disney na época a considerar o trabalho de Canini tão fora do padrão. A estrutura é parecida com o a do livro Romano Scarpa - "Sognando la Calidornia", dos autores italianos Becattini, Boschi, Gori e Sani.
 
Blog - Qual a sua leitura do trabalho de Canini à frente de Zé Carioca?
Ventura
- Nasci em 1980, portanto só conheci o trabalho de Canini nas páginas do "Disney Especial". Quando criança considerava as histórias esquisitíssimas! Adorava e relia dezenas de vezes. Acho o trabalho de Canini especial porque seu estilo gráfico brasileiríssimo sugeria continuidade, mesmo ilustrando histórias de vários roteiristas diferentes. Boa parte do estilo brasileiro, solto e divertido, de Disney dos anos 1980 e 90 é reflexo do trabalho de Canini e de um outro desenhista pouco conhecido, Kimura, que também fez maluquices com os patos no final dos anos 1970.
 
Blog - O que falta para o livro ficar pronto?
Ventura
- Desde que a monografia foi apresentada, novos dados vieram à tona. Em termos Disney, o mais importante foi a listagem das histórias dos principais coautores de Canini, Júlio de Andrade e Ivan Saidenberg (falecido recentemente), e o lançamento do "Mestres Disney", que o homenageou em 2005. Nesse período, Canini foi redescoberto pelo público e por uma nova geração. É preciso, portanto, re-estruturar e atualizar o texto. Existe também um buraco na minha pesquisa. Depois que Canini foi demitido como desenhista, ele continuou colaborando com a Abril escrevendo argumentos Disney. Conhecemos algumas dessas histórias, mas não todas. Canini não as possui em sua coleção, mas me disse ser capaz de identificá-las. Gostaria que colegas colecionadores me auxiliassem a xerocar as histórias desse período, as quais eu organizaria e enviaria a Canini, que não possui internet. Portanto, é preciso que as cópias sejam físicas. Os colecionadores interessados podem entrar em contato comigo por e-mail, para saber mais detalhes: fernandopventura@uol.com.br.
 
Blog - Tem editora definida e ideia, ao menos aproximada, de quando a obra deve ficar pronta?
Ventura
- Não tenho editora definida. A re-estruturação e atualização da obra deve durar no máximo até o final deste ano, quando começarei o trabalho de diagramação e apresentarei um capítulo-piloto para a Disney e a Editora Abril, solicitando o uso das imagens. Publicarei periodicamente no blog http://disneymadeinbrazil.blogspot.com/ o desenvolvimento do trabalho para os interessados acompanharem. Espero conseguir permissão para abrir o livro com a HQ inédita que fiz em homenagem à Canini, escrita originalmente para a edição do Mestres Disney. Continuo pesquisando as histórias em quadrinhos Disney brasileiras, não somente de Canini, mas de todos os outros autores. Portanto, qualquer espécie de colaboração é sempre bem recebida.

Categoria: ENTREVISTA

Escrito por PAULO RAMOS às 09h31
[comente] [ link ]

07.10.09

Chega ao Brasil série de Gabriel Bá premiada nos EUA

 

The Umbrella Academy - Suíte do Apocalipse. Cre´dito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

Capa de "The Umbrella Academy - Suíte do Apocalipse", álbum que tem lançamentos nesta semana em São Paulo e Belo Horizonte 

 

 

 

 

 

 

Gabriel Bá reprisa neste mês uma trajetória comum entre quadrinistas argentinos. Estes publicam histórias no exterior, em particular na Europa, e depois de algum tempo veem a obra chegar ao país de origem.

No caso do desenhista brasileiro, o périplo começou nos Estados Unidos. Agora, dois anos depois, "The Umbrella Academy" é traduzida para o português pela editora Devir.

A obra tem lançamentos hoje em São Paulo e sexta-feira em Belo Horizonte durante o FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, que será realizado até o dia 12 na capital mineira.

O álbum é uma coletânea dos números iniciais da série, que ajudou a firmar o nome de Bá entre os principais autores hoje do mercado norte-americano de quadrinhos.

                                                           ***

Pela arte feita na série, ele conquistou uma sucessão de prêmios de destaque em 2008, do qual se destaca o Eisner Awards, o principal da indústria de quadrinhos estadunidense.

Teve novas indicações no Eisner deste ano como melhor desenhista e autor de capas (por outro título, "Casanova"). E concorre ao Harvey Awards como melhor desenhista e série contínua ou minissérie.

Ele e o irmão gêmeo, o também desenhista Fábio Moon, disputam uma terceira categoria no Harvey: melhor antologia pelo número de estreia de "Pixu", produzido em parceria com Vasilis Lolos e Becky Cloonan.

A história de terror, outro título que foi publicado primeiro nos Estados Unidos, também será lançada neste mês pela Devir, com a presença dos quatro autores.

                                                         ***

Bá e Moon se destacaram também no Brasil no ano passado.

Venceram um dos prêmios Jabuti, concedido pela Câmara Brasileira do Livro, pela adaptação do conto "O Alienista", de Machado de Assis, lançada pela Agir (1839-1908).

Um ano antes, foram o destaque do Troféu HQMix, o principal da área de quadrinhos do país. Venceram em quatro categorias.

Paralelamente aos trabalhos no exterior, Bá e Moon têm produzido desde o ano passado a tira "Quase Nada", publicada uma vez por semana na "Folha de S.Paulo". Sai aos sábados.

                                                          ***

"The Umbrella Academy", que agora chega ao Brasil, destoa das produções anteriores de "Dez Pãezinhos", série de histórias criadas com o irmão e publicadas aqui no Brasil em mais de um álbum.

O foco não está tanto nos relacionamentos humanos. A série norte-americana é uma história de super-heróis, todos irmãos, que formam a equipe Umbrella Academy.

Cada um dos integrantes possui dons diferentes. Foram adotados de berço pelo criador da equipe, o eclético Sir Reginald Hargreeves. O grupo atua junto desde pequenos.

Com o tempo, o a equipe se desfaz. Até que são unidos novamente para o funeral de Hargreeves. E para enfrentarem juntos, mesmo com indisfarçáveis conflitos pessoais, a amaeaça da suíte do apocalipse, música que tem poder para destruir o mundo.

                                                          ***

A série foi escrita por Gerard Way, da banda My Chemical Romance. O trabalho da dupla rendeu uma sequência e tem outra prevista.

Way não vem ao Brasil para os lançamentos, que tornarão ainda mais apertada a agenda de Gabriel Bá. Entre uma página e outra, entre um comprimisso e outro, ele arrumou um tempo para conversar com o blog, por-email.

Na entrevista, ele comenta seu atual momento profissional e dá detalhes sobre a nova série "Daytripper", feita com o irmão para Vertigo, selo adulto da DC Comics, mesma editora de Batman e Super-Homem. "Daytripper" será ambientada no Brasil.

E, claro, fala sobre "The Umbrella Academy", assunto que inicia a conversa.

                                                          *** 

Blog - A que você credita a boa repercussão que "The Umbrella Academy" teve no exterior?
Gabriel Bá
- Acho que grande parte da expectativa em cima do Umbrella se deu pelo fato de o Gerard ser o vocalista do My Chemical Romance, uma banda com uma grande legião de fãs e com uma forte assinatura visual em todos os clipes. Só isso já gerou muita repercussão em cima do projeto antes mesmo de sair qualquer coisa. Uma vez lançado o gibi, a verdade é que ele tem uma história muito bem contada, com personagens cativantes, grandes vilões e uma história cheia de elementos bizarros, usando de maneira  excelente quase todos recursos que a linguagem dos quadrinhos oferece, como páginas duplas, flashbacks, narrativas e grandes diálogos. Não é uma revolução cheia de ideias geniais, mas traz um sentimento de frescor que o cenário dos quadrinhos de super-heróis estava precisando. Desta mesma forma, este é um motivo pelo qual o gibi tem um grande apelo para um público maior que somente o leitor de super-heróis, além de apelo internacional. Se fosse pra comparar, aos invés de compará-lo ao Watchmen, acho que compararia ao Os Incríveis, filme da PIXAR. Você já viu tudo aquilo em um milhão de gibis, mas eles reuniram tudo e usaram de forma inteligente e contaram uma história de maneira nova e original. O Umbrella faz a mesma coisa. Pra completar, nós ganhamos o Eisner Award, Harvey Award, Scream Award, além de outros prêmios, o que ajudou a chamar mais atenção de quem ainda não tinha ouvido falar do gibi.

 
Blog - "The Umbrella Academy" e "Pixu" saíram primeiro nos Estados Unidos e somente agora no Brasil. Você acha que o fato de uma obra ser publicada primeiro no exterior ajuda na aceitação dela aqui no mercado nacional?
- Acho que pode ajudar, mas não garante o sucesso de um livro. Assim como literatura e cinema, quadrinhos têm vários gêneros diferentes e cada um deles tem seu público, além de compartilharem um público genérico. Assim, se você faz uma HQ medieval que teve enorme aceitação na França porque o público pra esse tipo de história é grande por lá, isso não vai garantir que faça sucesso aqui, onde o público pra isso é muito menor. O Umbrella e o PIXU são livros muito diferentes. Um é uma história de super-heróis, divertida e bizarra, com um toque de violência, mas que atinge um público mais amplo, desde adolescentes até leitores mais velhos que tenham esse sentimento de nostalgia. O outro é uma HQ de terror psicológico, sombrio e pesado. Os dois trabalhos são muito diferentes do que o público costuma encontrar nos 10 Pãezinhos, mas é isso que acredito ser um mérito desses trabalhos, mostrar a variedade de gêneros e histórias que podemos contar nos quadrinhos. Pra mim, não devia importar de onde você é ou onde você publicou. O mais importante é a história. Uma boa história é boa em qualquer língua e atingirá públicos diferentes em vários lugares.

Blog - As premiações de 2008 ajudaram você e seu irmão a consolidarem uma elogiada carreira também fora do país. Como você planeja os próximos passos de sua carreira: ruma para o mercado externo ou para o interno? Qual deles permite a você contar melhor suas histórias?
- Nós sempre tomamos as decisões basaeadas nos projetos, independentemente de onde será feito. Se gostamos da história o suficiente para querer fazer, é o que importa mais. Se temos uma ideia boa para contar, podemos desenvolvê-la. Gosto de acreditar que contamos histórias um tanto universais por tratarem de questões mais humanas, então não importa muito onde ela será publicada primeiro, pois sempre existirá a chance de ela ser publicada em outro país. Estamos produzindo esta série para a Vertigo, chamada Daytripper, que se passa no Brasil e tem vários elementos que só serão percebidos pelo leitor brasileiro. Não influenciam na história, mas dão estofo e enriquecem a ambientação. Mesmo que estejamos produzindo pra publicar lá, mal posso esperar pra saber como ela será recebida aqui. O que mais sinto falta do mercado nacional é escrever em português. Nós vamos continuar publicando aqui, mesmo que independentemente como já fizemos tantas outras vezes.

Blog - Queria que você antecipasse como será a série "Daytripper", feita com seu irmão. Do que se trata? Serão quantas edições?
- Daytripper conta a história de um sujeito chamado Brás, que trabalha escrevendo obituários num jornal em São Paulo, mas seu grande sonho é ser escritor. No entanto, seu pai já é um grande escritor de renome e Brás tem que lidar com este fardo de ter um trabalho que não gosta e viver à sombra do pai o tempo todo. A série terá dez capítulos onde vamos acompanhar a vida desse personagem em diferentes momentos, que irão formando sua personalidade e influenciando suas decisões e os caminhos que ele tomou ou tomará. É muito difícil falar sobre essa série, mas é definitivamente a melhor coisa que já fizemos.

Blog - Para finalizar: quais outros projetos vocês têm para 2010? Algum já pode ser antecipado?
- Temos muitas propostas e convites, tanto nacionais quanto internacionais, mas por enquanto estamos focando em terminar o Daytripper. Só depois teremos cabeça pra decidir.

                                                          ***

Serviço - Lançamentos de "The Umbrella Academy - Suíte do Apocalipse"
Em São Paulo. Quando: hoje (07.10). Horário: 19h. Onde: Fnac Pinheiros. Endereço: Avenida Pedroso de Moraes, 858.
Em Belo Horizonte. Quando: sexta-feira (09.10). Horário: 19h. Onde: FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos). Endereço: Palácio das Artes, em Belo Horizonte (MG). Endereço: Avenida Afonso Pena, 1.537.

Categoria: ENTREVISTA

Escrito por PAULO RAMOS às 10h59
[comente] [ link ]

06.10.09

FIQ se torna base de lançamento de títulos independentes

 

Ato 5. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

Capa de "Ato 5", de André Diniz e José Aguiar, um dos lançamentos nacionais programados para o festival de quadrinhos

 

 

 

 

 

 

 


É comum os autores independentes aproveitarem os grandes eventos de quadrinhos para exporem numa janela maior suas produções. Não será diferente nesta sexta edição do FIQ.

O Festival Internacional de Quadrinhos, iniciado nesta terça-feira em Belo Horizonte (MG), vai se tornar uma espécie de base de lançamento de obras nacionais.

A se pautar pela programação dos autores, vai haver uma overdose de publicações novas.

Se cumprida à risca, lembrará até a frase tão usada pelo presidente Lula: nunca antes na história deste país houve tantos lançamentos independentes num local só.

                                                          ***

Os autores ligados ao Quarto Mundo - selo que agrega quadrinistas independentes de diferentes partes do país - programam lançamento de oito títulos.

A lista inclui "Ato 5", de André Diniz e José Aguiar, "Peiote" e novos números de "Camiño di Rato", "El Fanzine", "Patre Primordium", "Pieces", "Café Espacial" e "Quadrinhópole".

O grupo vai ter um estande no FIQ, a exemplo do que fizeram há dois anos, na edição anterior do festival.

O ponto de venda terá outras revistas, inclusive as lançadas recentemente, como novos números de "Graffiti 76% Quadrinhos" e "Nanquim Descartável".

 

Encore. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

 

"Encore" é a quarta revista produzida pelo trio Rafael Albuquerque, Eduardo Medeiros e Mateus Santolouco 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Outros autores independentes também levarão novidades ao festival. É o caso de "Encore", quarta revista do trio Rafael Albuquerque, Eduardo Medeiros e Mateus Santolouco.

Bruno Azevêdo vai lançar uma versão impressa do e-book "Breganejo Blues - Novela Trezoitão", que usa desenhos de Tex em parte das páginas internas.

Outro novidade é a "Beleléu", reunião de autores brasileiros e de fora do país. Um deles é o argentino Kioskerman, muito popular por lá e por aqui por conta das tiras que faz.

A dupla Felipe Cunha e Pablo Casado lança a miniantologia de quadrinhos "Duo". E Gustavo Duarte faz mais uma sessão de autógrafos de "Có"

                                                            ***

Além dos independentes, o FIQ terá lançamentos de obras publicadas por editoras.

A Zarabatana aproveita as presenças de dois de seus autores lançar a segunda coletânea de "Macanudo", de Liniers, e "Shenzhen", de Guy Delisle.

Mauricio de Sousa autografa "MSP 50 - Mauricio de Sousa por 50 Artistas", da Panini.

E a Devir traz dois novos álbuns: "Umbrella Academy", com desenhos de Gabriel Bá, e "Pixu", de Bá, Fábio Moon, Becky Cloonan e Vasilis Lolos.

                                                          ***

Também no FIQ, lanço um outro livro, "Quadrinhos na Educação - Da Rejeição à Prática", organizado em parceria com Waldomiro Vergueiro, professor da Universidade de São Paulo.

A obra traz textos meus, de Vergueiro e de outros quatro colegas: João Marcos Mendonça, TÚlio Vilela, Alexandre Barbosa e Lielson Zeni. A obra é da editora Contexto.

Em tempo: nem todos os lançamentos constam na programação do FIQ, que vai até o próximo dia 12.

Mas a maioria está na relação oficial, inclusive com os dias e horários das sessões de autógrafos. A programação pode ser acessada aqui.

                                                           ***

Se faltou listar algum lançamento nacional, foi por puro desconhecimento deste jornalista.

Sabe de algum outro título independente que será lançado no FIQ?

Agradeceria se deixasse registrado abaixo, no espaço dos comentários.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 19h33
[comente] [ link ]

05.10.09

Livro vai reunir primeiras histórias de Lanterna Verde

 

Lanterna Verde Crônicas. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

Capa de "Lanterna Verde Crônicas", obra de 164 páginas que trará as primeiras aventuras do herói publicadas nos Estados Unidos  

 

 

 

 

 

 

 

 


A Panini vai lançar um livro com as primeiras histórias de Lanterna Verde, publicadas nos Estados Unidos em 1959. A obra terá 164 páginas e capa dura. O preço não foi informado.

A obra integra a lista de lançamentos da editora para este mês, divulgada à imprensa no começinho da noite desta segunda-feira. 

"Lanterna Verde Crônicas" será produzido nos mesmos moldes de "Superman Crônicas" e "Batman Crônicas", que também traziam as histórias iniciais dos dois heróis.

A Panini já publicou dois volumes de Super-Homem e outros dois com aventuras de Batman, personagens que pertencem à editora norte-americana DC Comics.

                                                          ***

A relação de lançamentos para este mês dá mais detalhes sobre os primeiros títulos da editora dos selos Vertigo e Wildstorm, que trazem séries da DC voltadas ao leitor adulto.

A Panini programou uma revista, chamada "Vertigo", e três álbuns: "Y, o Último Homem", "ZDM - Terra de Ninguém" e "Frequência Global".

O primeiro número do título mensal terá 132 páginas e vai custar R$ 9,90. A publicação trará cinco séries, todas já anunciadas pela editora.

Integram a revista "Hellblazer", "Sandman Apresenta", "Lugar Nenhum", "Vikings" e "Escalpo". As duas últimas são traduções de "Northlanders" e "Scalped".

                                                           ***

Os álbuns retomarão as três séries do início. "Y - o Último Homem" trará os cinco primeiros números. Terá 132 páginas e vai custar R$ 16,90.

É a terceira vez que o início da série é publicado no Brasil. Antes, havia sido publicada pela Opera Graphica - também em álbum - e pela Pixel - na extinta revista "Pixel Magazine".

"ZDM" - que foi renomeada: antes era "DMZ" - também trará os cinco números iniciais. O álbum de 132 páginas. Será publicado em capa dura, a R$ 36,90.

"Frequência Global" - título que havia sido lançado pela Pandora e pela Pixel - também será produzido em capa dura, com 148 páginas. O preço não foi informado.

                                                           ***

O lançamento das edições estava programado para a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, realizada em setembro. Ficou para este mês.

Até o começo do ano, os títulos pertenciam à Pixel, do grupo Ediouro, que rescindiu contrato. A informação de que os direitos de publicação dos selos adultos da DC haviam migrado para a Panini veio a público em reportagem do blog de 21.08.

O formato adotado em parte dos títulos da Vertigo e da Wildstorm sinaliza que o foco de tais publicações será as livrarias. Dois dos álbuns foram produzidos em capa dura.

A Panini entrou no mercado de quadrinhos brasileiro no começo do século. Nesse período, tornou-se líder de publicações nas bancas. Desde 2007, tem investido também em livrarias.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 20h20
[comente] [ link ]

MSP 50 lança novo olhar aos antigos personagens de Mauricio

 

MSP 50 - Mauricio de Sousa por 50 Artistas. Crédito: divulgação

 

 

 

 

 

 

Capa do livro em homenagem ao pai da Truma da Mônica, obra que tem um segundo lançamento nesta semana em Belo Horizonte 

 

 

 

 

 

 

 

Se você tivesse carta branca para fazer uma leitura pessoal dos personagens criados por Mauricio de Sousa, o que você faria? E o principal: como faria?

Essas duas perguntas sintetizam a proposta de "MSP 50: Mauricio de Sousa por 50 Artistas", livro feito para homenagear o meio século de carreira do criador da Turma da Mônica. A publicação tem lançamento nesta quarta-feira, em Belo Horizonte (MG).

A obra traz cartuns, tiras e quadrinhos feitos por um rol plural de desenhistas e roteiristas nacionais. Tão plural que dificilmente seriam reunidos num outro projeto em quadrinhos.

Mas é exatamente esse raro tom eclético um dos sabores da publicação. O outro é ver como cada um dos autores interpretou as criações de Mauricio.

                                                           ***

A ideia de mesclar diferentes autores, cada um com uma versão pessoal de dado grupo de personagens, na verdade, não é nova, como já lembra a introdução de "MSP 50".

"Asterix e Seus Amigos" e "25 Anos do Menino Maluquinho", para ficar em dois exemplos, já haviam usado o recurso. Mas o interesse não está na ideia, e, sim, no resultado.

E o resultado apresentado no livro faz jus à - merecida - homenagem a Mauricio de Sousa. É o único autor nacional que criou um mercado próprio e o manteve por décadas.

Além de criador, é um empresário bem-sucedido, que tem demonstrado novo fôlego editorial após a troca da Globo pela Panini. "Turma da Mônica Jovem" é uma das provas disso.

                                                          ***

Como toda reunião de histórias, vai haver quem goste mais de determinada história e menos de outra. Por isso, destacar uma delas esbarra necessariamente na subjetividade.

Mas podem-se encontrar duas tendências entre os trabalhos: ou a narrativa faz uma homenagem explícita a Mauricio ou ajusta o foco em situações dos personagens dele.

Em comum, o fato de serem leituras pessoais pautadas nas criações dele. Parte dos desenhos já havia circulado pela internet antes mesmo da finalização da obra.

Blogs de desenhistas - amplificados pelo megafone virtual chamado Twitter - já traziam os primeiros esboços de como fariam suas histórias. Isso acentuou a expectativa pelo projeto.

                                                           ***

O homenageado do álbum é um dos motivos para comprar a obra. Mas a publicação tem outros 50 motivos para atrair a atenção do leitor. São eles:

Laerte, Rodrigo Rosa, Flávio Luiz, Gilmar, Daniel Brandão, Lélis, Antônio Éder, Cau Gomez, Laison Cavalcanti, Fido Nesti, Julia Bax, Orlandeli, Ivan Reis, Baptistão, Mascaro...

... Fábio Yabu, Jean Galvão, Raphael Salimena, Benett, Fábio Moon, Gabriel Bá, João Marcos, Jean Okada, Otoniel Oliveira, José Aguiar, Angeli, Samuel Casal, Fábio Lyra...

... Osmarco Valladão, Manoel Magalhães, Antonio Cedraz, Erica Awano, Luciano Félix, Gustavo Duarte, Fernando Gonsales, Vinicius Mitchell, Fernandes, Rafael Sica, Spacca...

... Wander Antunes, Fabio Cobiaco, Ziraldo, Christie Queirza, Dalcio Machado, Jô Oliveira, Guazzelli, Laudo, Marcelo Campos, Renato Guedes, Vitor Cafaggi.

                                                           ***

Como dito, um grupo eclético e plural, de diferentes gerações, que dificilmente seria reunido numa obra em quadrinhos, ainda mais num mercado que ainda não estimula tal encontro.

Além de a obra servir de homenagem, funciona também como cartão de visitas para autores ainda desconhecidos do grande público.

Seria interessante reunir todos num mesmo lugar para um lançamento. A obra já teve uma primeira sessão de autógrafos no mês passado na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

Mauricio faz um segundo lançamento na próxima quarta-feira, às 17h, no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), em Belo Horizonte. O FIQ tem início nesta terça-feira.

                                                           ***

Serviço - Lançamento de "MSP 50 - Mauricio de Sousa por 50 Artistas". Quando: quarta-feira (07.10). Horário: 17h. Onde: FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos). Endereço: Palácio das Artes, em Belo Horizonte (MG). Endereço: Avenida Afonso Pena, 1.537. Quanto: capa dura (R$ 98); capa cartonada (R$ 55).

Categoria: RESENHAS

Escrito por PAULO RAMOS às 11h40
[comente] [ link ]

04.10.09

A visão dos leitores sobre as tiras de Rafael Sica

O desenhista Rafael Sica postou no início deste mês em seu blog uma história que mostra como leitores de sua página virtual enxergam as tiras que faz.

O trabalho de Sica - bastante inovador - rendeu a ele o Troféu HQMix deste ano na categoria webquadrinhos. O HQMix é a principal premiação da área de quadrinhos no país.

Segue a história, intitulada "Situação Crítica", reproduzida do blog do autor:

 

História: Rafael Sica. Reprodução do blog do autor.

Categoria: NA MÍDIA

Escrito por PAULO RAMOS às 16h37
[comente] [ link ]

03.10.09

Registros rápidos

Tocaia nacional

O álbum "Tocaia e Outros Quadrinhos" começou a ser vendido nesta virada de semana em lojas de quadrinhos (R$ 45). A obra da Devir reúne histórias publicadas por Gilberto Maringoni entre 1989 e 2002 aqui no Brasil e no exterior.

Pré-FIQ

O FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos" começa na próxima terça-feira em Belo Horizonte. Mas as exposições desta edição já podem ser visitadas nos centros culturais da capital mineira. Há desde trabalhos de autores até diferentes quadrinhos nacionais.

Nova editora

A revista "Quadrix - Aventura e Ficção" marca a estreia de uma nova editora de quadrinhos, a Quadrix. A programação de lançamento é neste mês. A empresa planeja publicar também outros títulos nacionais, uma graphic novel - "Lua Negra" - e um mangá.

Dinastia Pato

A Abril já vende nas bancas o primeiro volume de "História e Glória da Dinastia Pato" (R$ 14,95), que narra os primórdios da Família Pato. A série italiana havia sido publicada no Brasil, com cortes, na metade da década de 1970.  

Frequência Global

A Panini confirmou, via Twitter, que a série "Frequência Global" terá um encadernado, voltado às livrarias. O lançamento dos primeiros títulos da Vertigo e Wildstorm, selos adultos da DC Comics, ficou para este mês. A lista inclui uma revista mensal (a R$ 9,90).

Tela fria

Uma das estreias deste fim de semana nos cinemas é a adiada exibição de "Terror na Antártida". A produção norte-americana adapta a minissérie "Whiteout", escrita por Greg Rucka e já publicada no Brasil pela Devir. A protagonista do filme é Kate Beckinsale.

Menina entra

A Pixel começou a vender a "segunda temporada", como a editora chama, da revista "Luluzinha Teen e Sua Turma" (R$ 6,40). A continuidade de série não foi alterada: este é o quinto da coleção. Segundo a Pixel, a tiragem desta edição é de 100 mil exemplares.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 14h43
[comente] [ link ]

02.10.09

Adaptações literárias marcam volta da Salamandra aos quadrinhos

 

Capa de Frankenstein, adaptado por Marion Mousse. Crédito: reprodução

 

 

 

 

 

 

 

Versão de "Frankenstein", à venda nas livrarias, abre coleção da editora dedicada a clássicos literários

 

 

 

 

 

 


Uma coleção de adaptações de clássicos literários marca o retorno da Salamandra à publicação de quadrinhos. O primeiro, "Frankenstein", já está à venda em livrarias (144 págs., R$ 39,90).

A editora planeja lançar ainda este ano uma versão de "Robinson Crusoé". E outras três em 2010: "As Aventuras de Tom Sawyer", "Os Três Mosqueteiros" e "A Ilha do Tesouro".

Os títulos literários em quadrinhos foram publicados pela editora francesa Delcourt. A Salamandra repete no Brasil as obras e o mesmo título da coleção: Ex-Libris.

A adaptação da obra de Mary Shelley (1797-1851), que abre a coleção, foi feita por Marion Mousse, pseudônimo de um autor, um homem, que se mantém no anonimato.

                                                          ***

O fato de as obras serem produzidas na Europa traz um diferencial à linha de álbuns. Até agora, a maior parte das adaptações lançadas no Brasil era de literatura nacional.

O que iguala a Salamandra às concorrentes é a aposta no filão das adaptações. O gênero se tornou febre entre as editoras por conta das listas governamentais de quadrinhos.

A última tentativa da editora no setor de quadrinhos foram coletâneas da "Turma do Pererê".

Lançou há alguns anos três álbuns, mas não concluiu a série infantil criada por Ziraldo.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 19h34
[comente] [ link ]

01.10.09

MEC divulga prova do Enem que vazou. Testes traziam quadrinhos

O MEC divulgou nesta quinta-feira a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) que seria aplicada neste fim de semana. O teste foi suspenso após haver vazamento.

O exame acabou funcionando como um simulado da prova. Os testes do segundo dia traziam tiras de Mafalda e Garfield, como o blog havia informado na postagem abaixo.

Havia também uma terceira questão com quadrinhos. Uma delas se pautava numa charge de Angeli. 

O governo pretende remarcar uma nova data para a prova nos próximos 45 dias. Não há necessidade de o aluno fazer nova inscrição. Veja a seguir as três questões com quadrinhos.

 

 

 

                                                          ***

As provas completas do 1º dia e 2º dia do Enem podem ser lidas links.

Saiba mais sobre o vazamento do exame deste ano na postagem abaixo.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 23h01
[comente] [ link ]

Tiras de Mafalda e Garfield seriam usadas em prova do Enem

 

Mafalda, criação do argentino Quino

 

A prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que seria realizada no próximo fim de semana, traria pelo menos duas tiras como temas de questões.

Uma seria da personagem argentina Mafalda e outra da série norte-americana Garfield.

As tiras foram duas das questões mencionadas por jornalistas de "O Estado de S. Paulo", que tiveram acesso à prova na noite de ontem. A notícia foi publicada hoje.

O vazamento levou o Ministério da Educação a cancelar o exame. A prova seria aplicada a 4,1 milhões de estudantes de todo o país e serviria como vestibular em algumas federais.

                                                          ***

Não seria a primeira vez que o Enem cobraria questões em quadrinhos. O recurso tem sido recorrente no histórico da prova, que, neste ano, chegaria a 1,8 mil cidades.

Uma das âncoras do exame é o domínio de outras linguagens. Supõe-se que quadrinhos esteja entre elas, dado o volume de testes a respeito.

O simulado para o Enem deste ano, divulgado pelo governo no fim de julho, já sinalizava isso. Trazia um cartum de Quino e uma tira de Chico Bento, de Mauricio de Sousa.

Em 2008, a prova também usou um cartum - de Laerte - e uma tira de Hagar, o Horrível.

Categoria: NOTÍCIA

Escrito por PAULO RAMOS às 11h09
[comente] [ link ]

[ ver mensagens anteriores ]