19.11.09

Um Adão, duas Alines e um seriado no meio

 

     

 

Numa tacada só, as livrarias e lojas especializadas em quadrinhos começaram a vender na última semana duas coletâneas de tiras de Aline publicadas por editoras diferentes.

O apelo dos dois lançamentos é o mesmo: aproveitar a popularidade do seriado homônimo da TV Globo, que adapta para a tela a criação de Adão Iturrusgarai.

Não é por acaso que "Aline + Otto + Pedro" (Devir, 64 págs., R$ 29) divide o título da obra com os dois namorados da personagem. Ambos têm papel de destaque na série.

Um selo no plástico que envolve a capa também explicita o diálogo com o programa de TV: "O quadrinho que deu origem ao seriado da Rede Globo. Para adultos."

                                                          ***

O cuidado de direcionar a obra para adultos tem a ver com o conteúdo. Não só pelo fato de a personagem ser viciada em sexo.

Além das tiras, o álbum traz uma série de pins-ups da Aline em posições bem provocantes. Explicitamente provocantes. Os desenhos também são reedições.

O diálogo com o leitor adulto é percebido também no título de "Aline - Finalmente Nua!!!" (LP&M, 128 págs. R$ 11), quarto livro de bolso dela pela editora gaúcha. 

A tal nudez faz menção a uma série de tiras que mostram o antes, o durante e o depois de Aline ter aceitado fazer fotos sem roupa. Posou para a fictícia "Baby Dolls".

                                                         *** 

As duas coletâneas têm também outro ponto comum. Mostram um momento em que Adão desenhava a série com um traço mais arredondado, abandonado depois.

O triângulo entre os dois álbuns e o seriado, que fez um outro público descobrir quem é Aline, é um dos assuntos da entrevista que o blog fez com o desenhista.

As respostas foram dadas por e-mail direto da Patagônia, na Argentina, onde mora com a esposa e os dois filhos. O caçula, Camilo, acabou de nascer.

Adão comenta também sobre os planos no país vizinho, onde também tem publicado.

                                                          ***

Blog - As tiras das obras da L&PM e da Devir são de que época? Algum dos livros tem material inédito?
Adão Iturrusgarai
- As tiras da L&PM seguem a sequência de publicação em jornal [foi publicada na "Folha de S.Paulo]. A edição se restringe em cortar algumas tiras, as mais ruins, as menos engraçadas, as nada geniais. São de 1998, por aí, acho eu, putz, faz tanto tempo... Já o álbum da Devir tem algumas novidades. Tem 16 páginas a mais. Tem cinco páginas por página ao invés de quatro. E uma das séries (Aline - garota de programa) é de publicação mais recente. Esta série (uma das minhas preferidas) é de mais ou menos 2005. Uma vez um rapaz da arte da "Folha de S.Paulo" me disse que essa série fez o maior sucesso lá na redação. As pessoas ficavam todos os dias esperando ansiosamente a "chegada" da Aline. Esta série faz parte de uma fase mais moderna do meu trabalho no qual deixei o pincel redondinho de lado e passei a desenhar mais solto. Uma volta às origens, ao "Iturrusgarai selvagem".
 
Blog - A seleção do material foi sua ou das editoras?
Adão
- Minha. 
 
Blog - As duas obras apostam no lado sexy da personagem. A L&PM deu um título que salienta a nudez e a Devir traz pin-ups ainda mais explícitas dela. Será que o recurso não põe as tiras em segundo plano?
Adão
- Eu dei também os títulos pros álbuns. Foi uma tentativa de atrair milhões de curiosos potenciais compradores do livro. Agora, falando muito sério... a Aline é uma personagem muito sexuada e tem várias séries que tratam do tema "treinamento de procriação". No pocket da L&PM tem a história dela posar nua pra uma revista e no da Devir tem essa série de desenhos que fiz pra revista "Simples". Acho que as tiras não ficam em segundo plano, por que ninguém compra uma revista da Aline pra bater punheta. Só se for um sujeito bastante depravado. 
 
Blog - Foi sua a ideia de desenhar Aline em posições eróticas no álbum da Devir?
Adão
- Essa série saiu na revista "Simples". O Ale Fajardo (editor) me encontrou na rua e me disse: "por que você não faz um ensaio da Aline nua pra revista?" Eu tava cheio de trabalho na época e desconversei. Mas depois valeu a pena o esforço. Adoro esses desenhos. Ela acabou saindo na capa como se fosse um ensaio de revista de mulher pelada. Agora, escrevendo estas linhas, acho que na época eu devia estar fazendo a série da Aline querendo posar nua pruma revista, talvez por isso o convite. Possivelmente. Seguro.
 
Blog - Duas editoras diferentes publicam a mesma personagem. Não há problemas de concorrência entre elas?
Adão
- Acho que os formatos se complementam. O pocket é fundamental para o leitor brasileiro. Por causa do preço e tal. E o álbum tem a qualidade (e cor) que o pocket não tem.  
 
Blog - Houve uma espécie de renascimento de Aline por conta da série da Globo. Você já sentiu se, por causa disso, há algum interesse de novos leitores para as suas tiras?
Adão
- Sim. No meu blog tem um monte de gente que está entrando. Gente que não conhecia o meu trabalho no papel mas que a Globo popularizou. O legal é que elas acabam conhecendo mais coisas do meu trabalho, outros personagens e tal. O lado mais selvagem, digamos. 
 
Blog - Você havia falado bem do piloto da série, exibido em dezembro do ano passado. Você chegou a assistir aos primeiros episódios? O que achou?
Adão
- Eu achei legal. Tenho uma preferência pelos episódios da separação dos pais dela. Eu acho que eles fizeram uma ótima adaptação televisiva da personagem. Mas é uma adaptação. São coisas meio diferentes. 
 
Blog - Novidades profissionais, tanto aqui no Brasil quanto na Argentina?
Adão
- Estou contactando editoras aqui para começar a publicar coisas em espanhol. Na argentina, continuo publicando na revista "Fierro". Eles estão abrindo cada vez mais páginas pra mim. Comecei com meia e na próxima edição me reservaram três. Se continuar nesse ritmo, em 10 anos a "Fierro" vai trocar de slogan. Vai ser algo assim: FIERRO, LA HISTORIETA DE ITURRUSGARAI. 

Escrito por PAULO RAMOS às 11h26
[comente] [ link ]

13.11.09

Piauí publica charge com crítica a concurso da revista

 

Charge de Spacca publicada na revista Piauí deste mês

 

 

 

 

 

Desenho foi feito por Spacca e aparece na edição deste mês da publicação

 

 

 

 

 

 

 

O pinguim-símbolo da "Piauí" foi usado para dar uma cutucada em um concurso de desenhos promovido pela própria revista. A charge foi publicada na edição deste mês.

O trabalho, feito por Spacca, aparece discretamente no alto da página 77. Mostra o pinguim dando peixe a desenhistas, como em apresentações com animais aquáticos.

A charge faz alusão às regras do concurso. A "Piauí" dá como prêmio a publicação nas páginas da revista e uma estátua do pinguim de porcelana. Em troca, usa o desenho.

A "Piauí" registrou a crítica em um texto que acompanhava o trabalho de humor. E incluiu um agradecimento ao autor: "Obrigadão, Spacca!".

                                                         ***

A revista já renovou o convite para uma nova rodada de desenhos do concurso, intitulado "Traços e Rabiscos". As inscrições vão até o dia 20 deste mês. O prêmio é o mesmo.

Spacca planeja ir ao escritório comercial da revista, em São Paulo, para retirar o seu pinguim de porcelana. Foi lá que indicaram a ele para pegar a estátua.

Antes que o próximo vencedor seja escolhido, o desenhista conversou por e-mail com o blog sobre o que pensa das regras do concurso e o que o levou a se inscrever.

"Queria que eles tomassem conhecimento", diz Spacca, que publicou por anos na "Folha de S.Paulo" e hoje tem se dedicado à criação de quadrinhos para a Companhia das Letras.

                                                          ***

Blog - Foi uma surpresa ver que seu desenho - uma crítica ao concurso - foi escolhido pela revista para ser publicado?
Spacca
- Surpresa foi, porque eu não tinha visto meu desenho no site da "Piauí" entre os selecionados, mas não totalmente inesperado. O normal é que os órgãos mais importantes ou visíveis, poderosos ou cult, ignorem solenemente. Havia, porém, a possibilidade de a "Piauí "ser mais descolada e, pelo menos, selecionar também os cartuns críticos. Foi um teste para a "Piauí".
 
Blog - Por que você decidiu inscrever o desenho na publicação?
Spacca
- Quando criei, fiz muito rápido, achei o desenho bem sacado. Gostei inclusive da solução gráfica, que não costumava usar, que usa recursos do Angeli: fazer uma base de tons em preto e cinza, e colorir por cima. Mesmo os desenhistas nadando têm um olho de peixe morto que o Angeli gosta. E, quando um desenho fica bom, dá "cosquinha", a gente quer mostrar a molecagem que acabou de fazer enquanto está quente, dá um assanhamento. Imediatamente, mandei para a lista dos ilustradores da SIB [Sociedade dos Ilustradores do Brasil], que frequento todo dia. Quando alguns me sugeriram mandar para o concurso, eu já havia tomado a decisão de enviar. Pelo mesmo motivo: queria que eles tomassem conhecimento. Quando fazia charge na Folha, é óbvio que eu queria que os políticos vissem as charges que os criticavam.
 
Blog - Seu desenho é eloquente e já responde, mas a pergunta é necessária: como você avalia concursos como esses feitos pela "Piauí"?
Spacca
- Meu desenho pega um concurso apresentado como bacana, uma chance de ficar famoso, e subverte, mostra uma proposta meio humilhante. Mas é preciso considerar que a "Piauí" contrata ilustradores e, segundo me disseram, paga direitinho. A charge na verdade se aplica mais a concursos feitos por empresas de grande porte, para ter à sua disposição designers e ilustradores supostamente ávidos para trabalhar em troca de divulgação. E eu também não gosto de patrulhar colega: quer colaborar de graça, colabore. A revista "Bundas", do Ziraldo, fez muito isso e ninguém chiou. O José Simão recebe colaboração de muita gente.
 
Blog - O fato de servir como janela para o desenhista, mesmo que sem prêmio em dinheiro, não é um recurso válido?
Spacca
- É uma tendência do novato querer aparecer de qualquer jeito. Se bobear. o sujeito até pagaria por isso, especialmente se for jovem, solteiro e se não tiver contas pra pagar. E as mídias mais famosas se aproveitam, exploram. Porém, o profissional uma hora precisa parar com isso. Senão, ele vai divulgar para o próximo cliente, que também vai oferecer divulgação em troca... Onde acaba isso? O desenhista vive de brisa? Por outro lado (minhas respostas sempre têm outro lado...), reconheço o valor da divulgação. Por exemplo, já dei entrevistas em programas de TV, onde me pediram para fazer caricatura de um outro entrevistado. Fazendo isso, fiquei mais uns minutos no ar e vendi mais o meu peixe. Recentemente, no programa do João Gordo, ele entrevistando o compositor Arlindo Cruz, viu na casa dele essa caricatura, e eles falaram de mim. Então esse troço rende, repercute.
Dentro de certos limites, a troca é proveitosa para os dois lados.
 
Blog - Mesmo com a crítica vindo de um quadrinista de destaque, a revista vai repetir o concurso. A cutucada não funcionou, a seu ver?
Spacca
- Não quis, nem quero impedir o concurso. Seria atribuir muito poder à charge se eu achasse que a "Piauí", vendo, botasse a "mão na consciência" e viesse a público pedir desculpas, se retratar... E seria muito sem graça também. O que eles fizeram foi muito mais inteligente e elegante, souberam absorver o impacto, e estava dentro das possibilidades que eu antevia. E estamos nos promovendo mutuamente, não é? Isso vale um peixinho :)

Escrito por PAULO RAMOS às 06h26
[comente] [ link ]

03.11.09

Novo álbum de Mortos-Vivos marca retorno da HQM

 

Os Mortos-Vivos - Desejos Carnais

 

 

 

 

 

 

Obra, lançada nas últimas semanas, é o primeiro título da editora depois de meses sem novas publicações 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


O quarto volume da série "Os Mortos-Vivos" marca a volta da HQM às obras em quadrinhos. A editora programa um título nacional, "Necronauta", até o fim do ano, e o retorno às bancas da revista "Senninha", com periodicidade bimestral ou trimestral.

O termo "volta" se justifica porque a HQM ficou meses sem lançar títulos. O jejum teve início meses depois de a editora anunciar uma longa lista de publicações.

A relação incluía este álbum de "Os Mortos-Vivos - Desejos Carnais", lançado no fim do mês passado. A obra mostra um grupo de pessoas ilhadas em meio a zumbis.

A série é escrita por Robert Kirkman e desenhada por Charlie Adlard e tem conseguido sucessivas indicações a prêmios norte-americanos da área. No Brasil, ganhou um HQMix.

                                                          *** 

A lista de lançamentos, divulgada pela editora no fim de julho de 2008, relacionava também obras nacionais e estrangeiras, algumas voltadas às bancas, e mangás.

Nesse intervalo, algumas migraram para outras editoras. Um caso é "Yeshuah", sobre a vida de Jesus Cristo feita por Laudo Ferreira Jr e Omar Viñole. A obra foi para a Devir.

A programação da HQM para este ano e para 2010 é um dos assuntos desta entrevista do blog com o editor-chefe da HQM, Carlos Costa.

Feita em diferentes trocas de e-mail, a conversa começa sobre as razões que levaram a editora a ficar meses sem pôr no mercado novas obras em quadrinhos. 

                                                         ***

Blog - A HQM teve um intervalo na publicação de novos títulos, quebrado em outubro com o quarto volume de "Mortos Vivos". O que levou a esse jejum de lançamentos?
Carlos Costa
- Devido ao investimento no ano passado com "Violent Cases", "Senninha", os dois livros teóricos ("A Era de Bronze" e "Passeando com o Rei dos Sonhos") e a entrada no mercado nacional com "Leão Negro" e "Quadrinhofilia", tivemos que dar uma pausa para recuperar parte do investimento, pois, caso contrário, não conseguiríamos seguir em frente. Somado a isso, a crise financeira mundial também nos abalou. Como consequência, tivemos que protelar toda a nossa programação, aguardando o momento certo para reiniciar novamente com os lançamentos. 

Blog - No ano passado, a editora havia divulgado uma longa lista de publicações. Elas ainda estão nos planos da editora?
Costa
- Sim, a maioria da lista ainda está. Os únicos que não estão são o "Yeshuah", do Laudo e Omar, que agora sairá pela Devir; as biografias de Álvaro de Moya e Rodolfo Zalla, organizadas pelo jornalista Gonçalo Junior, que deverão sair de formas independentes; e "Cogumelos ao Entardecer", de Jonatas Tobias, que, após sua seleção pelo Proac [programa de incentivo à produção de quadrinhos do governo paulista], resolveu também transferir o projeto para a Devir. Em contrapartida, entraram outros lançamentos na lista, como "Retro City", de Mauricio Dias, Daniel HDR e o pessoal do Dinamo Studio; "Little Heroes", de Estevão Ribeiro, desenhado por vários autores, como Fernanda Chiela, Ric Milk, David Calil, entre outros; "Necronauta", de Danilo Beyruth, que está programado ainda para este ano, entre outros. A publicação do Studio Seasons, que planejamos inicialmente como uma revista mix, foi alterada para o formato tankohon. Ou seja, cada série sairá em edições únicas, em formato parecido ao dos mangás convencionais.
 
Blog - As publicações nacionais - tanto álbuns quanto mangás - continuam na pauta da HQM?
Costa
- Sim, continuam, apesar de sabermos que, ao menos ainda por enquanto, o material nacional vende menos que o material internacional. Porém, ainda acreditamos no material nacional, devido à qualidade dos produtos que escolhemos para publicação, que são de primeira linha.

Blog - "Yeshuah", de Laudo Ferreira Jr., integrava essa lista. Mas, sabe-se agora, migrou para a Devir. O que levou à troca de editora?
Costa
- Creio que devido à nossa pausa nas publicações, ele tenha preferido passar para uma outra editora. Na verdade, como ficamos sem nos falar por algum tempo, a decisão do Laudo também foi surpresa para nós. Creio que houve uma falta de diálogo maior entre nós e o autor. 
 
Blog - O que ocorreu com a revista mensal de "Senninha"? Volta às bancas? E as assinaturas?
Costa
- As assinaturas continuam, porém novas só são processadas quando está para sair uma nova edição. Em novembro sai a edição oito. A publicação deixa de ser mensal e deverá continuar bimestralmente ou trimestralmente. 
 
Blog - A ideia de uma outra revista voltada para as bancas continua de pé? E a da Turma do Xaxado, de Antônio Cedraz?
Costa
- Sim, em parceria com a Editora Cedraz, está programado para este ano o lançamento de duas edições da Turma do Xaxado. Para o ano que vem, estamos planejamento o lançamento de uma revista de informação e outra que publicará talentos nacionais em bancas.

Blog - Como serão as duas revistas da Turma do Xaxado e a outra voltada às bancas, com talentos nacionais, como você definiu?
Costa
- As revistas do Xaxado serão no estilo da revista do Senninha. A parceria inicial com Antônio Cedraz planeja o lançamento, no início, de duas edições. Se as vendas forem satisfatórias, programaremos mais edições. A outra revista será algo no estilo Graphic Talents (publicação da Editora Escala que foi descontinuada há algum tempo) - cada uma dedicada a um único autor nacional. Ainda estamos estudando qual o melhor formato físico para publicação.
 
Blog - Até o final do ano, a HQM programa algum outro lançamento?
Costa
- Para este ano estão programados o relançamento do volume dois da série "Os Mortos-Vivos", que se encontra esgotada, e do "Necronauta - Volume 1", de Danilo Beyruth. Temos intenção de lançar ainda este ano "Zoo", de Nestablo Ramos, porém, este, não sabemos se dará tempo. No mais tardar, deverá sair no início de 2010. Mesmo caso da continuidade do "Leão Negro", de Cynthia Carvalho, que se não sair um novo volume este ano, sairá no início do ano que vem.
 
Blog - E para 2010? Já há um planejamento do que deve ser publicado?
Costa
- Por enquanto, não. Somente para os próximos meses. Como somos uma editora pequena e dependemos das vendas de cada título para continuidade de todo o planejamento editorial, não há como termos uma programação fixa. No entanto, para o ano que vem já está certo "Santuário", o novo volume de Estranhos no Paraíso; "Kickback", de David Lloyd; "Who Fighter", mangá de Seiho Takizawa; "I Luv Halloween", de Keith Giffen e Ben Rowan; "Retro City"; "Aventuras em Oz", de Eric Shanower; novos volumes de "Leão Negro"; as revistas que citei anteriormente entre outras novidades, como projetos para o Instituto Ayrton Senna e para o Instituto Ética nos Negócios (este último, em parceria com o cartunista Bira Dantas), que estamos desenvolvendo.

Blog - Como será essa parceria com Instituto Ética nos Negócios?
Costa
- A parceria com o Instituto Ética nos Negócios é a reformulação de um personagem criado por Bira Dantas para a empresa, o Ético. O Bira cuidou da concepção inicial e nós fizermos a reformulação visual do personagem. O próximo passo é a produção de histórias em quadrinhos e outros materiais relacionados ao Ético. Neste meio tempo em que pausamos os lançamentos, tentamos firmar parcerias com várias editoras do mercado, porém não obtivemos retorno esperado. Assim, resolvemos seguir ainda sozinhos. No entanto, não desistimos ainda de uma boa parceria, que possa render bons frutos para ambos os lados.

Escrito por PAULO RAMOS às 09h46
[comente] [ link ]

[ ver mensagens anteriores ]