29.10.10

Primeiro, os quadrinhos. Agora, Monteiro Lobato

Reproduzo ipsis literis nesta postagem reportagem desta sexta-feira da "Folha de S.Paulo", intitulada "Conselho quer vetar livro de Monteiro Lobato em escolas".

O tema já vitimizou os quadrinhos mais de uma vez em 2009. Os alvos haviam sido álbuns de Will Eisner e o nacional "Dez na Área, um na Banheira e Ninguém no Gol".

No cenário internacional, o exemplo mais contundente foi "Tintim no Congo", de Hergé, produção alvo de críticas por trazer teor racista.

Segue a reportagem, assinada pelas jornalistas Angela Pinho e Johanna Nublat.

                                                         ***

Monteiro Lobato (1882-1948), um dos maiores autores de literatura infantil, está na mira do CNE (Conselho Nacional de Educação).

Um parecer do colegiado publicado no "Diário Oficial da União" sugere que o livro "Caçadas de Pedrinho" não seja distribuído a escolas públicas, ou que isso seja feito com um alerta, sob a alegação de que é racista.

Para entrar em vigor, o parecer precisa ser homologado pelo ministro da Educação, Fernando Haddad. O texto será analisado pelo ministro e pela Secretaria de Educação Básica.

O livro já foi distribuído pelo próprio MEC a colégios de ensino fundamental pelo PNBE (Programa Nacional de Biblioteca na Escola).

Em nota técnica citada pelo CNE, a Secretaria de Alfabetização e Diversidade do MEC diz que a obra só deve ser usada "quando o professor tiver a compreensão dos processos históricos que geram o racismo no Brasil".

Publicado em 1933, "Caçadas de Pedrinho" relata uma aventura da turma do Sítio do Picapau Amarelo na procura de uma onça-pintada.

Conforme o parecer do CNE, o racismo estaria na abordagem da personagem Tia Nastácia e de animais como o urubu e o macaco.

"Estes fazem menção revestida de estereotipia ao negro e ao universo africano", diz a conselheira que redigiu o documento, Nilma Lino Gomes, professora da UFMG.

Entre os trechos que justificariam a conclusão, o texto cita alguns em que Tia Nastácia é chamada de "negra". Outra diz: "Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos, trepou, que nem uma macaca de carvão".

Em relação aos animais, um exemplo mencionado é: "Não é à toa que os macacos se parecem tanto com os homens. Só dizem bobagens".

Por isso, Nilma sugere ao governo duas opções: 1) não selecionar para o PNBE obras que descumpram o preceito de "ausência de preconceitos e estereótipos"; 2) caso a obra seja adotada, tenha nota "sobre os estudos atuais e críticos que discutam a presença de estereótipos raciais na literatura".

À Folha Nilma disse que a obra pode afetar a educação das crianças. "Se temos outras que podemos indicar, por que não indicá-las?"

Seu parecer, aprovado por unanimidade pela Câmara de Educação Básica do CNE, foi feito a partir de denúncia da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, ligada à Presidência, que a recebeu de Antonio Gomes da Costa Neto, mestrando da UnB.

Escrito por PAULO RAMOS às 12h08
[comente] [ link ]

Uma tira do dia que merece registro

 

Piratas do Tietê, de Laerte. Crédito: edição on-line da Folha de S.Paulo

 

Da série "Piratas do Tietê", de Laerte, na edição desta sexta-feira da "Folha de S.Paulo".

Escrito por PAULO RAMOS às 11h14
[comente] [ link ]

11.10.10

Uma tira do dia que merece registro

 

Chiclete com Banana, de Angeli. Crédito: versão on-line da Folha de S.Paulo

 

Da série "Chiclete com Banana", de Angeli, na edição de hoje da "Folha de S.Paulo".

Escrito por PAULO RAMOS às 11h30
[comente] [ link ]

10.10.10

Folha de S.Paulo publica história em quadrinhos de Luiz Gê

A edição de hoje da "Folha de S.Paulo" publica uma história em quadrinhos de Luiz Gê. A narrativa ocupa uma página inteira do caderno "Ilustríssima", dedicado a textos e resenhas.

A história aborda, de forma crítica, o passado escondido na arquitetura de São Paulo. A cidade é um tema caro ao autor e já foi trabalhado em outros quadrinhos dele.

Um deles narra a trajetória da Avenida Paulista e será reeditado pelo Quadrinhos da Cia., selo da Companhia das Letras dedicado à publicação da área.

Luiz Gê cria quadrinhos desde meados de 1970. No começo da década de 1990, deixou a produção em segundo plano para priorizar a carreira de professor universitário.

Escrito por PAULO RAMOS às 13h54
[comente] [ link ]

04.10.10

Uma charge do dia que merece registro

 

Charge de Orlandeli. Crédito: blog do autor

 

A "tiriricação" desta eleição é ideia de Orlandeli, reproduzida do blog do autor.

Escrito por PAULO RAMOS às 10h46
[comente] [ link ]

[ ver mensagens anteriores ]