13.06.11

Road comic made in Brazil

 

  • "A Balada de Johnny Furacão" transpõe para os quadrinhos clima dos road movies
  • Trabalho é o primeiro álbum feito pelo desenhista e ator Eduardo Filipe, o Sama
  • Obra da novata editora Flaneur tem lançamento nesta quarta-feira no Rio de Janeiro


A Balada de Johnny Furacão. Crédito: editora Flaneur

 

 

Vivem-se dias diferentes nos quadrinhos do Brasil. Quem diria há alguns anos - não tantos assim - que se veria um álbum nacional inspirado nos road movies norte-americanos?

Esse "road comic" começou a ser vendido neste mês e tem lançamento nesta próxima quarta-feira à noite, no Rio de Janeiro.

O ponto de partida de "A Balada de Johnny Furacão" (Flaneur, 146 págs., R$ 32) é uma música de Erasmo Carlos.

O tal Johnny da canção era um "cara que bem cedo desejou ser campeão". Queria ser o maioral, o melhor do mundo das pistas. Mas o carro quebrou na curva principal.

                                                           ***

O desenhista e ator Eduardo Filipe, que assina como Sama, toma esse enredo da letra para dar a largada à sua corrida gráfica.

A cena inicial mostra justamente o enigmático Johnny Furacão num racha. A partir daí, a história vai se desenrolando e apresentando outros personagens.

A primeira impressão que a leitura dá é que as tramas são soltas umas das outras. Mas, aos poucos, elas vão sendo costuradas nos detalhes, lançados páginas atrás.

O que permeia todo a narrativa é, de fato, a corrida de carros. Ora numa disputa para saber que é o mais rápido, ora para fugir de alguma situação inesperada (o que a obra mais tem).

                                                            ***

Podem-se questionar alguns diálogos ou situações pouco verossímeis no terço final do álbum. É algo devidamente explicado na obra, mas que causa certo desconforto na leitura.

O desconforto é pelo fato de a obra conduzir o leitor para um caminho e, abruptamente, enveredar por outro, mais sobrenatural.

Superado esse detalhe, é fácil entregar-se à obra e aos eficientes desenhos de Sama, autor que integrou as antologias "Irmãos Grimm em Quadrinhos" e "Golden Shower".

Sua balada marca uma boa estreia, que havia sido anunciada inicialmente pela editora Barba Negra. Com a desistência desta, caiu nas mãos da também estreante Flaneur.

                                                           ***

Serviço - Lançamento de "A Balada de Johnny Furacão", de Eduardo Filipe, o Sama. Quando: quarta-feira (15.06). Horário: 19h30. Onde: Boteco Salvação. Endereço: rua Henrique de Novaes, 55, Botafogo, Rio de Janeiro. Quanto: R$ 32.

Escrito por PAULO RAMOS às 14h26
[comente] [ link ]

12.06.11

Um livro perfeito para o Dia dos Namorados

 

  • "Splish! Splash! Os Enamorados dos Quadrinhos" mostra relacionamentos nas HQs
  • Obra, organizada por Franco de Rosa, começou a ser vendida neste fim de semana
  • Publicação da Kalaco foi dividida por temas e traz textos de diferentes autores

 Splish! Splash! Os Enamorados dos Quadrinhos. Crédito: editora Kalaco

 


Não é uma coincidência um livro sobre relacionamentos amorosos entre personagens dos quadrinhos começar a ser vendido justamente às vésperas do Dia dos Namorados.

A proximidade com a data, intencional, ajuda a tornar "Splish! Splash! Os Enamorados dos Quadrinhos" o livro ideal para discutir o assunto (Kalaco, 176 págs.).

A obra, organizada pelo jornalista editor da Kalaco Franco de Rosa, procura detalhar, o máximo possível, os vários casos de namoros lidos nos quadrinhos de ontem e de hoje.

De ontem porque retoma os primeiros casos, vistos dentro e fora do país ainda no início do século passado. De hoje porque teve fôlego de incluir o beijo entre Mônica e Cebolinha.

                                                         ***

Os textos e o resgate histórico são assinados por diferentes autores, todos unidos pela pesquisa a respeito de personagens e de temas das histórias em quadrinhos.

Além do próprio editor, Franco de Rosa, participam Primaggio Mantovi, Sergio Peixoto, Worneu Almeida de Souza e Antero Leivas.

A cada um coube a tarefa de esmiuçar o tema em algum grupo de personagens.

 Assim, a obra se dividiu entre os quadrinhos clássicos, os trabalhos alternativos, os super-heróis, os bem-casados, os tradicionais solteirões e os mangás. 

                                                         ***

Há trabalhos brasileiros e Mauricio de Sousa recebe um tratamento diferenciado, com destaque de várias páginas. Mas o grosso da obra menciona os norte-americanos.

Os textos se dividem com detalhes sobre determinado par de personagens. Além de uma rápida descrição sobre eles, registra o relacionamento mantido por ambos.

"Splish! Splash!" é um daqueles livros que exerce uma dupla função. Se lido de forma esporádica, serve como um eficiente material de consulta, com fartas curiosidades.

Se lidos numa tacada só, ajuda a recontar a história da história em quadrinhos sob o ponto de vista do namoro. Eficente nisso, embora o resultado careça de uma revisão ortográfica.

Escrito por PAULO RAMOS às 10h56
[comente] [ link ]

[ ver mensagens anteriores ]