• Editora Abril começa a vender primeiros volumes de "Disney Essencial"
  • Coleção se propõe a publicar "quadrinhos fundamentais" dos personagens Disney
  • A maior parte, no entanto, foi produzida neste século e foge da proposta "essencial"

 

Essencial Disney - Donald e Seus Sobrinhos. Crédito: divulgação

 

O que quer dizer a palavra "essencial"? Segundo o "Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa" é algo "necessário, indispensável".

Ou ainda se trata de um item "que constitui o mais básico ou o mais importante em algo; fundamental".

Entendido o que o temo é, fica mais fundamentada a constatação de que nenhuma das duas acepções acima vale para a coleção "Essencial Disney".

A série da Editora Abril, que começou a ser vendida nas bancas neste início de mês, sugere ao leitor algo que, na prática, não oferece.

                                                        ***

Além do título em si, a coleção usa frases que reforçam o teor essencial das revistas. Uma delas diz que são "quadrinhos fundamentais para conhecer e curtir o universo Disney!".

Não é o que se vê nos dois primeiros volumes, vendidos juntos, a R$ 10 (100 páginas cada um, capa cartonada).

O primeiro, "Tio Patinhas Versus Maga Patalójika", traz quatro histórias. Três delas foram produzidas entre 2006 e 2010. Recentes, portanto. E, se recentes, não fundamentais.

O volume seguinte, "Donald e Seus Sobrinhos", repete a estratégia editorial. Das quatro narrativas, todas são deste século (de 2001 a 2007).

                                                         ***

O pacote plastificado que vende os dois primeiros volumes informa também que a maior parte das histórias é inédita no Brasil.

Se o apelo é o ineditismo - e parece ser -, a coleção erra no nome. Vende algo essencial, antológico, e oferece o oposto.

É de se esperar que os demais 18 títulos da série - são 20 ao todo - enveredem pelo mesmo caminho. Os demais números orbitam entre Tio Patinhas, Donald, Mickey e Pateta.

Quem aprecia os quadrinhos Disney pode até gostar. Mas é preciso estar avisado, de antemão, que não se trata de algo essencial, ao contrário do que o título sugere.